Ministério da Saúde afirma que recuperou dados de vacinados após ataque hacker

Em nota divulgada neste domingo, a Pasta informou que não houve perdas no processo de recuperação

Legenda: Órgão trabalha para reaver acesso aos sistemas
Foto: Agência Brasil

Após ataque hacker na última sexta-feira (10), o Ministério da Saúde divulgou nota neste domingo (12) informando que os dados sobre vacinados foram "recuperados com sucesso". Segundo o órgão, não houve perda de informações no processo.

Desde o ataque, a Pasta estava impossibilitada de acessar dados sobre o processo de vacinação. O ConecteSUS, aplicativo que disponibiliza o passaporte da vacina, também ficou fora do ar.

“O Ministério da Saúde informa que o processo para recuperação dos registros dos brasileiros vacinados contra a Covid-19 foi finalizado, sem perda de informações. Todos os dados foram recuperados com sucesso”, informou.

Segundo o Ministério, ainda falta reaver o acesso aos sistemas que ficaram bloqueados, como é o caso do ConecteSUS. “No momento, a pasta trabalha para restabelecer o mais rápido possível os sistemas para registro e emissão dos certificados de vacinação”, disse.

Ataque cibernético

O site do Ministério da Saúde ficou fora do ar na última sexta-feira (10). Ao tentar acessar o portal da pasta da Saúde, os usuários se depararam com a seguinte mensagem: "Os dados internos dos sistemas foram copiados e excluídos. 50 TB (Terabyte) de dados está (sic) em nossas mãos." Ainda de madrugada, o informe do grupo ficou indisponível. 

O grupo hacker Lapsus$ Group assumiu a autoria da invasão que tirou do ar o site do Ministério, o Painel Coronavírus, o e-SUS Notifica, o Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI) e o Conecte SUS, que exibe dados de vacinação contra a covid-19.

A Polícia Federal (PF) abriu inquérito na última sexta-feira (10) para apurar o ataque hacker aos sites do Ministério da Saúde e do Conect SUS. Em nota, o órgão disse que os bancos de dados de sistemas do Ministério não foram criptografados, ou seja, que poderiam ser recuperados.

No último sábado (11), o Ministério da Saúde afirmou por meio de nota que os dados estariam disponíveis a partir desta semana, sem, contudo, estabelecer uma data.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil