Investidor Wesley Pessano, morto no RJ, ostentava luxo e dinheiro nas redes sociais

Jovem de 19 anos se apresentava como trader e "rei do pullback" e foi morto em Porsche de R$ 440 mil

Wesley Pessano ao lado de carro conversível vermelho
Legenda: No feed de Wesley, é possível vê-lo posar ao lado ou dentro de diversos carros importados
Foto: reprodução/Instagram

O investidor e influenciador digital Wesley Pessano Santarém, morto a tiros em São Pedro da Aldeia, no Rio de Janeiro, na tarde dessa quarta-feira (4), era conhecido pelos seus investimentos financeiros. Com 132 mil seguidores no Instagram, o jovem de 19 anos ostentava uma vida de luxo e riquezas nas redes sociais. As informações são do jornal Extra.

Na rede social, Pessano se apresentava como trader, um investidor de operações de curto prazo. Morador de Cabo Frio, também na Região dos Lagos, ele comentava "liberdade financeira aos 18" e prometia ajudar as pessoas gratuitamente.

“Aos 16, conheci este mercado, trancado em um escritório de Telemarketing e ganhando R$ 400 por mês. Aos 17, tinha perdido todo o dinheiro que eu tinha. Aos 18, com minha genialidade desenvolvi minha própria estratégia”, declarou em uma publicação. Numa das postagens, ele afirma ter conseguido lucro de R$ 13 mil em um minuto.

O jovem, que se definia como milionário, dizia ter ficado rico cedo e dividia com os seguidores o acompanhamento de operações financeiras. Conforme o jornal fluminense, ele publicou uma coletânea de vídeos nomeada "Operações", a qual ele divulgava lucros gigantescos. "Tudo que eu boto a mão vira ouro", escreveu no último conteúdo disponível.

Lucros

Ainda segundo o Extra, Wesley divulgou, em março, um lucro de mais de R$ 40 mil em apenas um dia, prometendo ampliação da quantia: "Bora fabricar mais". No mesmo mês, em 19 de março, uma suposta captura de tela do celular do influenciador indica o suposto recebimento de dez pagamentos de R$ 5 mil de uma única vez, como resultado de transações.

No YouTube, o jovem possuía um canal denominado "Pessano Trader", que soma 14,8 mil inscritos e tem 204 mil visualizações. O canal tem gravações, de no máximo 25 minutos, com dicas sobre investimentos e transações. O primeiro material  foi postado há cerca de seis meses

"Rei do pullback"

No canal, que também tem transmissões arquivadas, Wesley se intitulava o "rei do pullback" — expressão do mercado de ações que indica o melhor momento para compra e venda de ativos que sofreram desvalorização.

O termo "pullback", além da descrição na plataforma, estava gravado em uma tatuagem em um dos dedos de Wesley; em outro dedo, estava tatuada a frase "eh os guri", usada com frequência por ele em vídeos e postagens.

Em um dos vídeos, intitulado "Minha história", ele sai do tom tradicional, passando a discorrer sobre o próprio trajeto e relatar a fundação de uma empresa de investimentos. "Eu saí literalmente do zero para o topo", afirma em dado momento.

No entanto, consta abertura de uma microempresa na qual Pessano aparece como sócio-administrador apenas 20 dias antes do assassinato. A "W P Santarem" tem cadastro com capital social de R$ 110 mil e endereço no município de Navegantes (SC).

Vida de luxo

Além dos investimentos, Wesley divulgava vários cliques posando com bolos de cédulas de dinheiro e carros de luxo. Em sua última postagem no Instagram, quatro dias atrás, ele aparece ao lado de um Porsche Boxster vermelho com uma carteira aberta e várias notas de dinheiro.

"Antes eram poucos sapatos, hoje até gente tem no meu pé", escreveu na legenda. O carro é avaliado em mais de R$ 440 mil.

Últimos momentos

Horas antes de ser morto, o investidor publicou uma série de Stories em que monitorava e comentava investimentos na tela de um computador. Ele foi alvejado dentro do Porsche, enquanto estava a caminho de um corte de cabelo.

Testemunhas relataram que os autores dos disparos estavam em um Volkswagen Voyage cor prata. Um amigo de Pessano ficou ferido e foi levado ao Hospital Central de Emergências (HCE), em Cabo Frio. Não há informações sobre o estado de saúde dele.

A vítima, por sua vez, foi encaminhada ao Instituto Médico Legal (IML) do município, com pelo menos quatro perfurações por bala, uma delas na cabeça. O resultado da perícia ainda não saiu. Até o momento, nenhum suspeito foi preso, conforme o portal Metrópoles.

O 125º Distrito Policial (DP), em São Pedro da Aldeia, investiga o caso. A Polícia não descarta nenhuma linha de investigação, nem mesmo a possibilidade de tentativa de roubo comum, considerando o valor do carro. No entanto, a priori, nenhum pertence da vítima foi levado pelos assassinos.

Conforme o titular da unidade, delegado Milton Siqueira Júnior, a apuração ainda é muito prematura.

"As linhas de investigação dependem de vários fatos, das circunstâncias. Ainda falta a oitiva da testemunha, a pessoa que presenciou o fato, foi alvejada e sobreviveu. Existe a possibilidade de ter sido simplesmente um roubo, por ser um carro de luxo dentro de uma comunidade", disse em entrevista ao portal "RLagos Notícias" horas depois da ocorrência.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil