Coach resgatado em expedição malsucedida diz que "pessoas não suportam quem corre risco"

O líder motivacional Pablo Marçal coordenou uma atividade ao Pico dos Marins sem os devidos equipamentos de segurança

coach pablo marçal
Legenda: Pablo Marçal foi chamado de "irresponsável" pelo Corpo de Bombeiros de São Paulo
Foto: Reprodução

Pablo Marçal, coach que liderou uma expedição perigosa ao Pico dos Marins, em São Paulo, e precisou ser resgatado pelo Corpo de Bombeiros,  admitiu que o grupo de 32 pessoas passou por situações de "muito risco", mas afirmou que "não mandou ninguém subir". 

Em uma transmissão no YouTube, na noite de quinta-feira (6) - um dia depois do resgate de nove horas - Marçal minimizou o cenário de "perrengue" vivido por ele e o grupo alegando ainda que "está todo mundo em paz" e ninguém saiu machucado. "Não arranhou nem uma unha". 

“Algumas pessoas não suportam quem corre risco. Se você é uma pessoa que não corre risco, dificilmente você vai governar ou chegar no topo. Na nossa subida ontem na montanha, a gente correu muito risco. Aí alguém me fala: ‘Mas pra que correr risco?’ Se você não quer correr risco, fica na sua casa assistindo os stories”, afirmou.

Perigo

Com 2 milhões de seguidores no Instagram, Marçal subiu ao Pico dos Martins, que possui  2,4 mil metros de altitude, com cerca de 60 pessoas na última quarta (5). Metade do grupo acabou desistindo de subir por cansaço ou pelas más condições climáticas. O local tem trilha difícil, além de histórico de mortes e pessoas perdidas. 

A promessa era de que, ao fim da escalada, os desbravadores obtivessem "códigos que destravassem a mente". Na rede social, o coach ainda compartilhou vídeos nos quais as pessoas relatavam cansaço, frio e vontade de desistir da "expedição".

No entanto, o Corpo de Bombeiros julgou a atividade como de alto risco, uma vez que a subida ao Pico dos Marins é recomendada somente com guia especializado, equipamentos de segurança e nos períodos de estiagem.

Para o capitão dos bombeiros, Paulo Roberto Reis, Marçal "foi totalmente irresponsável. Subir com um grupo de pessoas despreparadas e sem equipamento é colocá-las sob risco de morte"

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil