Índia se torna 3º país com mais mortos por Covid-19; casos chegam a quase 20 milhões

Cientistas indicaram que o pico de registros da doença no país deve ocorrer entre 3 e 5 de maio

Profissional da saúde em meio a diversas macas com pacientes com Covid-19
Legenda: Governo indiano tem relutado contra a adoção de um lockdown nacional.
Foto: Tauseef Mustafa/AFP

A Índia registrou, nesta segunda-feira (3), 3.417 novas mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, levando o país a ser o terceiro do mundo em número de óbitos, atrás apenas dos Estados Unidos e do Brasil. No período, foram contabilizadas mais de 300 mil novas infecções pelo novo coronavírus pelo 12º dia seguido — ao todo, há quase 20 milhões de casos

Especialistas, contudo, alertam que os números reais no país, de 1,35 bilhão de habitantes, podem ser de cinco a dez vezes maiores que a contagem oficial, feita pelo Ministério da Saúde indiano.

As autoridades informaram que, nesta segunda-feira, os casos positivos caíram em relação ao número de exames pela primeira vez desde 15 de abril. No entanto, uma equipe de cientistas que aconselha o governo da Índia indicou que o pico de casos da doença deve ocorrer entre 3 e 5 de maio.

A previsão segue um modelo matemático, que funciona apenas como uma prévia — o coronavírus se dissemina mais rápido do que o estimado. Com 401.993 novos casos, o número de diagnósticos registrados na Índia bateu recorde no último sábado (1º), dias depois de o País bater recorde mundial da marca.

Situação da saúde na Índia

Enquanto o país lida com a subida nos casos, hospitais estão completamente cheios, com escassez dos suprimentos de oxigênio médico e lotação em necrotérios e crematórios.

Pelo menos 11 estados e territórios adotaram algum tipo de restrição para tentar conter o avanço do coronavírus, mas o governo do primeiro-ministro Narendra Modi reluta em anunciar um lockdown nacional — a gestão do país tem se preocupado com o impacto econômico.

"Em minha opinião, só uma ordem nacional de permanência em casa e a declaração de uma emergência médica ajudarão a enfrentar as atuais necessidades de cuidados de saúde", disse Bhramar Mukherjee, epidemiologista da Universidade de Michigan, no Twitter.

O aumento nos casos da doença é a maior crise pela qual o país passa desde a posse de Modi, em 2014. O premiê é criticado por não ter adotado medidas para conter a disseminação mais cedo.

Além disso, as críticas também se dão em razão de ele ter permitido milhões de pessoas comparecerem a festivais religiosos e comícios políticos lotados em cinco estados, entre março e abril, sem usar máscaras.

Segundo a Reuters, cinco cientistas que integram um fórum de conselheiros científicos criado pelo governo alertaram, no começo de março, autoridades indianas sobre uma nova variante mais contagiosa do novo coronavírus se espalhando pelo país.

Mesmo com o alerta, quatro especialistas afirmaram que o governo federal não adotou maiores restrições para deter a proliferação do coronavírus no território indiano.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo