Suspeitos realizam assalto a farmácia e mantêm reféns na Av. 13 de Maio

Pelo menos oito pessoas estavam no local antes do início da ação criminosa

Assalto a farmácia na Avenida 13 de Maio, em Fortaleza. Polícia cerca estabelecimento
Legenda: Suspeitos entraram no estabelecimento e fizeram, pelo menos, 10 pessoa reféns
Foto: Paulo Sadat

Uma farmácia de manipulação foi assaltada na Avenida 13 de Maio, em Fortaleza, na tarde desta terça-feira (30). Segundo policiais militares, pelo menos oito pessoas foram mantidas reféns pelos criminosos no começo da ação, que durou 50 minutos. Não há relatos de feridos.

Informações preliminares de policiais no local apontaram que, após realizarem suposto delito no Bairro de Fátima, os homens teriam entrado e se escondido no local, que estava aberto. No entanto, segundo a Polícia, houve uma tentativa de assalto ao próprio empreendimento. 

Cerca de 40 policiais foram acionados para uma negociação. Agentes do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), do Grupo de Operações Especiais (GOE) e da Ronda Ostensiva com Cães (Roca), da Polícia Militar do Ceará (PMCE), estão na ocorrência.

Por volta das 14h30, seis reféns foram liberados. Uma equipe do Bope entrou no local por volta das 14h40. Uma sétima pessoa feita refém foi liberada após as 15h.

As informações iniciais apontaram que havia 10 reféns na farmácia. No entanto, agentes que estavam no local indicaram o total oito reféns, dos quais sete eram funcionários e um, cliente. Os policiais conseguiram resgatar o grupo, mas os assaltantes conseguiram fugir.

A Polícia trabalha no local buscando identificar a fuga dos criminosos. Conforme a Polícia, havia três suspeitos, dos quais dois estavam armados.

Polícia nega assalto com reféns

Em nota, a PMCE disse que a informação de assalto com reféns é falsa. Conforme a corporação, "cerca de três indivíduos chegaram a levar dinheiro e pertences das pessoas que estavam no local e, logo após, empreenderam fuga".

Ainda de acordo com a Polícia, os funcionários, com medo, "fecharam o estabelecimento e permaneceram no interior do local" até que o Bope chegasse. Agentes seguem realizando diligências a fim de capturar os suspeitos, mas ninguém foi preso até o momento.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança