Soldado da PM morto em barricada na BR-116 não reagiu ao assalto e tinha arma guardada em pochete

O policial estava com dois amigos no carro quando se deparou com pneus na rodovia, após uma curva, impedindo a passagem do veículo

Legenda: O policial Frank Dellano de Almeida Nunes foi morto após reagir a um assalto e trocar tiros com criminosos em Cascavel.
Foto: Arquivo pessoal

O soldado da Polícia Militar do Ceará Frank Dellano de Almeida Nunes, de 25 anos, morto com um disparo no abdômen em um latrocínio na BR-116, em Cascavel, neste domingo (20), não reagiu ao assalto e não chegou a sacar a arma, segundo as investigações do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Dois homens foram presos em flagrante pelo crime, e um terceiro suspeito, apontado como chefe da organização criminosa da qual a dupla faz parte, também foi capturado. 

“Essas pessoas que estavam com ele relataram que o policial militar só estava com a lanterna verificando se o pneu tinha sido furado, e que a arma estava guardada na pochete dele. Que em nenhum momento ele tentou sacar essa arma”, informou a delegada Cláudia Guia, da 11ª delegacia do DHPP, responsável pela investigação. 

Dellano e dois amigos estavam no carro, em direção a Iguatu, onde participariam de uma competição de ciclismo, quando foram obrigados a parar o veículo após uma curva, nas proximidades do km 93 da BR-116. No local, havia restos de pneus no meio da estrada impedindo a passagem, segundo testemunhas do caso. 

O soldado e os dois passageiros chegaram a ouvir um barulho de estouro de pneu e, por isso, desceram do carro para verificar o veículo. 

Assaltantes saíram do matagal

De acordo com a delegada, logo depois de descerem do veículo, as vítimas notaram uma luz em direção a elas saindo do matagal à beira da estrada. 

“Quando eles perceberam que se tratava de um assalto, os dois passageiros tentaram correr e o policial militar ficou próximo ao carro. Quando esses dois passageiros tentaram correr, eles ouviram o disparo de arma de fogo. E nesse momento a vítima foi atingida. Não tinham ainda identificado que era um policial militar”, disse Cláudia. 

Ainda conforme a delegada, a arma do policial era um revólver calibre 38. Quando questionada se os criminosos poderiam ter percebido o objeto, Cláudia diz não ser possível confirmar.  

“Talvez. Perceberam que havia alguma coisa na pochete, que ele estava armado e efetuaram esse disparo na vítima”, comentou. 

Ao encontrarem o revólver, os assaltantes identificados como Romário Pereira Silvério, 25, e Lucas Salviano da Silva, 25, passaram a interrogar os outros ocupantes do carro sobre quem seriam as vítimas.  

“Imediatamente, eles subtraíram a arma da vítima e foram bastante violentos, chegaram até a efetuar outro disparo na porta do veículo. Eles se preocuparam muito na ação criminosa, mesmo com a vítima ali caída ao solo, sangrando e já inconsciente, sobre objetos a serem subtraídos, perguntaram se havia dinheiro, foram bastante frios e violentos. E como não tinha mais nada a ser subtraído, se evadiram do local”, completou Cláudia Guia. 

O veículo das vítimas foi avariado, mas os amigos conseguiram seguir com o carro até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Morada Nova para socorrer o policial. No entanto, Dellano já chegou sem vida ao local. 

Grupo no radar da polícia

As investigações da polícia também apontaram que aquela ação não foi a única prática criminosa da dupla na madrugada de domingo. Por volta de 1h, um outro veículo que passava pelo trecho foi avariado e os ocupantes assaltados.  

A polícia também efetuou a prisão de José Miquéias da Silva, 19 anos, considerado chefe da organização criminosa da qual a dupla de latrocidas faz parte. O grupo já estava no radar da polícia por suspeita de diversos crimes no distrito de Cristais e municípios da região.  

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança