Quatro suspeitos de matar a tiros instrutor de surf e avô do jovem na Varjota são presos

O alvo dos criminosos seria o filho do idoso, tio do jovem. No entanto, como não o encontraram, mataram as vítimas que estavam na casa

Escrito por Redação, seguranca@svm.com.br

Segurança
Instrutor de surf e avô do jovem são mortos a tiros na Varjota. Alvo dos criminosos seria outro homem
Legenda: Suspeitos confessaram à Polícia Civil a participação efetiva no duplo homicídio do instrutor de surf e do avô do jovem
Foto: Reprodução/Instagram

Quatro suspeitos de matar a tiros o instutor de surf Davi Silva Sabino, 22, e o avô dele, Francisco Alexandre Filho, 70, na madrugada da última sexta-feira (23), no bairro Varjota, em Fortaleza, foram presos pela Polícia Civil.

De acordo com a titular da 1ª Delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Patrícia Sena, o alvo dos criminosos seria o filho do idoso, tio do jovem. No entanto, como não o encontraram, mataram as vítimas que estavam na casa.

Capturas

Ainda na sexta-feira (23), foram presos João Vinícius Barros da Silva, 18, sem antecedentes criminais; e Claudiano Severino de Arruda, 27, que já responde por tráfico de drogas. Eles foram capturados nos bairros Vicente Pinzón e Jangurussu, respectivamente.

Já no sábado (24), foi preso em flagrante Jefferson Rodrigues de Brito, 29, com antecedentes criminais por homicídio, tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo e roubo.

Ele também foi capturado no bairro Vicente Pinzón e confessou, junto com os dois primeiros alvos presos, a participação efetiva no crime.

Autuações

Logo após as capturas, os suspeitos tiveram a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva. Eles responderão por homicídio qualificado.

Cientes de que existiam outros envolvidos, os policiais civis capturaram o quarto alvo das investigações: Caio de Lima Góis, 18, com antecedentes criminais por receptação. Ele foi localizado e conduzido à sede do DHPP.

Último partícipe

Na delegacia especializada, ele foi autuado por homicídio e organização criminosa. As apurações sobre o caso seguem, a fim de prender o último partícipe do crime, que já foi identificado.