Câmara de Fortaleza doa mais de 17 toneladas de alimentos a pessoas em situação de vulnerabilidade

As cestas básicas serão entregues ao movimento Supera Fortaleza; 32 vereadores doaram 20% dos salários para a arrecadação

Legenda: Vereadores contribuíram com cerca de 90% do total da arrecadação
Foto: Foto: José Leomar

A Câmara Municipal de Fortaleza realizou, nesta quinta-feira (2), doação de mais de 17 toneladas de alimentos ao movimento Supera Fortaleza. Os vereadores foram responsáveis por cerca de 90% dos alimentos, com a doação do equivalente a 20% dos salários. Dos 43 vereadores, 32 contribuíram diretamente com a arrecadação promovida pela Casa. 

A campanha foi iniciada no dia 24 de março, mobilizando não só vereadores, como também servidores do Legislativo municipal. Apesar de ter realizado a primeira entrega, a campanha deve continuar em andamento. Donativos podem ser entregues tanto na sede da Câmara Municipal como está disponível um serviço de recolhimento de produtos, a ser realizado por meio de agendamento no telefone (85) 3444-8417. 

Criado pela Prefeitura de Fortaleza, através da Secretaria de Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SDHDS), o movimento Supera Fortaleza reúne entidades públicas, empresas e Organizações Não-Governamentais (ONGs) para amparar pessoas em situação de vulnerabilidade em razão das medidas de emergência contra o avanço do novo coronavírus.

"Esse apoio demonstra, mais uma vez, a preocupação dos parlamentares para garantir o bem-estar dos fortalezenses”, afirmou o presidente da Casa, Antônio Henrique (PDT). Líder da Prefeitura de Fortaleza na Casa, Ésio Feitosa (PDT) concorda. “É uma iniciativa que se junta às ações dos outros poderes no sentido de minorar as dificuldades de comunidades e setores mais carentes. É um momento que exige solidariedade aos que estão impedidos de trabalhar normalmente”, disse. 

“Apesar de morar em um bairro que é um bairro que tem a necessidade e estar contribuindo com instituições daqui, (...) me disponibilizei a estar junto da campanha para arrecadação para o Supera Fortaleza, que vem sistematizando as doações nesse movimento”, afirma o vereador Benigno Júnior (PP).

Motivos

Nem todos os parlamentares contribuíram com a arrecadação proposta pela Câmara. Sargento Reginauro (Pros) explica que estava realizando doações antes do início da arrecadação na Casa e, por isso, não participou. "Nós já estávamos fazendo a nossa campanha pessoal, tanto no nosso bairro (Ellery e Monte Castelo) como fizemos parte da campanha movida pelo Luciano Lopes, que faz a Luana do Crato, para arrecadar alimentos para os humoristas que estão em dificuldade", detalha. 

Já o vereador John Monteiro (PDT) preferiu dar suporte a moradores do bairro Mucuripe, onde mora, e comunidades vizinhas. "Em momentos como esse, o povo vai bater na porta de quem? Do vereador. São sempre muitas pessoas nos procurando no escritório no bairro, nunca vi tanta gente. Então, por esse motivo, eu estou fazendo dentro do meu bairro, que é o mínimo que podemos fazer nessa hora", afirma Monteiro. 

O vereador Carlos Mesquita disse que também preferiu fazer a doação de cestas básicas diretamente para a população. "Fiz questão de eu mesmo entregar a aqueles que eu sei que realmente precisam", afirma.

Os vereadores suplentes Carlos Dutra (PDT) e Kátia Rodrigues (PPS) afirmaram que estavam comprometidos com outras instituições e por isso não contribuíram. Kátia Rodrigues explicou que mantém uma instituição de apoio a famílias em vulnerabilidade social, o Instituto Gotinhas do Bem, enquanto Dutra explicou que estava realizando doações, assim como arrecadações, para outras quatro instituições. A mesma justificativa foi apresentada por Plácido Filho (PSDB), que disse estar contribuindo "com vários bairros que me solicitaram doações de cestas básicas".

A vereadora Marília do Posto explicou que, desde o início do mandato, destina mensalmente um percentual do salário para trabalhos sociais em diferentes bairros da Capital. "Logo, pensando nas pessoas mais carentes, na qual me comprometi, achei mais prudente de minha parte em continuar realizando o meu trabalho social, sempre visando o bem estar do nosso povo", justificou.

"É uma atitude válida, que deve ser reconhecida, mas isso não pode tomar o protagonismo do papel institucional só Parlamento. E o que a população espera de nos urgentemente a redução das regalias dia 43 vereadores", disse, por sua vez, Márcio Martins. Ele foca que a prioridade não é arrecadação, mas essa redução e que já tem uma proposta nesse sentido tramitando na Casa.

A vereadora suplente Ana Aracapé afirmou que não foi informada da campanha de doação, enquanto Ziêr Férrer (PDT) disse que entregou alimentos diretamente na Câmara Municipal. O vereador Julierme Sena não respondeu ao contato da reportagem.