Tinga elogia mosaico da torcida do Fortaleza e fala de racismo:“tem que aumentar multa e ter prisão”

Leão ficou no empate de 1 a 1 com o River Plate

Mosaico permanente do Fortaleza pede STOP RACISM
Legenda: Mosaico permanente do Fortaleza pede "Stop Racism"
Foto: Matheus Amorim / FEC

Dentro de campo, Fortaleza e River Plate fizeram um jogo digno de Libertadores. Mas o duelo desta quinta-feira (65), na Arena Castelão, ficou marcado também pela importante mensagem da torcida contra o racismo. Na arquibancada, quase 50 mil pessoas formaram dois mosaicos sobre o tema. Capitão do time, o zagueiro Tinga ressaltou a importância dessa manifestação na arquibancada e pediu punições mais duras contra quem comete atos discriminatórios no futebol. 

“É importante. Não fomos só nós, jogadores, e a torcida do Fortaleza. Outras equipes também tiveram, infelizmente com os argentinos. Infelizmente na nossa cultura e no futebol ainda está acontecendo isso, acho que no mundo todo. A gente tem que mudar isso, né? Não basta só fazer mosaico, falar da boca para fora. Acho que a gente tem que começar a fazer, punir”, disse o jogador.

No primeiro jogo contra o River, em Buenos Aires, no dia 13 de abril, um torcedor do time argentino jogou uma banana na direção da torcida do Fortaleza. O capitão tricolor lembra esse episódio e outros recentes. Ele é enfático sobre a necessidade de punições mais duras.

“Que nem aconteceu no Brasil aqui, no jogo do Corinthians... Com uma multa de três mil reais, ele foi solto. Uma palhaçada. Fico triste com isso. Ele debochou depois. E a gente não pode fazer nada. Se a gente fizer, a gente é punido. E punido severamente por uma coisa que outra pessoa fez pior. A gente tem que mudar isso. Queremos que sejam mais justas as coisas. Uma justiça seja feita não só aqui, mas no mundo todo. Esperamos que isso não volte  a acontecer. Vi que os torcedores foram punidos em cada time lá, que não podem mais frequentar estádio. Mas acho que tem que ser pior, tem que aumentar a multa, prisão. Tem que ser uma coisa pra ninguém mais fazer, entendeu?”, desabafou Tinga.

MANIFESTAÇÕES ANTIRRACISTAS

Durante os 90 minutos, quase 50 mil pessoas participaram de dois mosaicos permanentes que estamparam as seguintes mensagens: “Todos na luta” e “Stop racism” (pare o racismo, em inglês). Além disso, o goleiro Max Walef usou luvas com mensagens alusivas ao tema. 

O ato foi um tipo de resposta ao caso ocorrido na Argentina. O torcedor Gustavo Sebastián Gómez foi punido dos jogos do River Plate e está proibido de frequentar qualquer estádio de futebol da cidade por quatro anos. As imagens dos mosaicos percorrem o mundo, ma

“Fizeram um lindo espetáculo. Nunca duvido da torcida porque a torcida é um fenômeno, é uma das melhores do Brasil. E com apoio do nosso torcedor, a gente fica mais forte, unido. A gente sabia que o torcedor ia estar com a gente do começo ao fim. Hoje foi totalmente diferente. Já deu um incentivo a mais, muito bonito”, finalizou.

O Fortaleza volta a campo no próximo domingo (8) pelo Campeonato Brasileiro. A equipe enfrenta o São Paulo na Arena Castelão, às 19 horas (de Brasília).

VEJA A ENTREVISTA COMPLETA

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte