11 dos 20 clubes da Série A já retomam treinos e aguardam os jogos; veja situação dos times

Clubes convivem com nova realidade, com treinos individuais, testes em jogadores e funcionários, além de afastamento por casos positivos da Covid-19 . Porém, avançam e já pensam na retomada das partidas

Ceará e Fortaleza já estão em plena atividade, embora ainda em fase transição e adaptação
Legenda: Ceará e Fortaleza já estão em plena atividade, embora ainda em fase transição e adaptação
Foto: JL Rosa

Quando o futebol brasileiro parou devido à pandemia do novo coronavírus, em 15 de março, o cenário era desconhecido, mas os clubes, federações estaduais e CBF já traçavam um planejamento visando comportar o já problemático calendário de competições, especulando uma paralisação de um ou dois meses. Afinal, ainda era início de temporada, com os estaduais ainda em fases classificatórias e as Copas do Brasil e Nordeste ainda nas fases iniciais. Ou seja, um gargalo era previsto e difícil de solucionar. 

Muitas reuniões foram feitas, planejamentos foram revistos, até que praticamente três meses depois da paralisação, as federações estaduais ensaiam um retorno dos campeonatos entre o fim de junho e início de agosto, com protocolos de saúde sendo apresentados aos Governos. Embora exista a sinalização da volta dos estaduais, nenhuma federação marcou uma data específica para o reinício.

Dos 20 clubes da Série A, 11 deles já iniciaram seus treinamentos: Inter, Grêmio, Athletico/PR e Coritiba ainda no fim de maio, devido ao menor número de casos e óbitos por Covid-19 na Região Sul, assim como o Flamengo, que se antecipou até a liberação das autoridades do Rio para iniciar os treinamentos. No Nordeste, Ceará e Fortaleza foram os pioneiros, voltando no início de junho, com o Vovô no dia 1º e o Leão no dia seguinte. Nove clubes ainda não retornaram aos treinos, como os 4 paulistas (Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos), pela situação crítica do Estado de São Paulo quanto aos casos.

Liberação

No Rio de Janeiro, mesmo com o Governo do Estado flexibilizando ontem o isolamento social e permitindo o retorno dos esportes de alto rendimento, há uma resistência de Fluminense e Botafogo pelo retorno aos treinos e jogos, pela grande incidência de casos no Rio de Janeiro, dificultando o trabalho da Ferj em sacramentar o recomeço do Campeonato Carioca.

Nova rotina

Os 11 clubes que retornaram aos treinos estão em uma rotina de controle de casos de Covid, intercalando com treinamentos. Enquanto os atletas e funcionários que deram negativo já exercem suas atividades, os testes que são sempre repetidos - Ceará e Fortaleza, por exemplo, realizarão a cada 15 dias - e os que testarem positivos serão isolados.

Esta realidade de casos positivos será uma constante nos clubes: Ceará e Fortaleza registram 39 profissionais positivos para Covid-19, entre eles 13 jogadores. No Vasco, foram 16 só de jogadores, o Goiás, oito. Apenas o Internacional e Coritiba não constataram nenhum caso.

O presidente da Federação Cearense de Futebol (FCF), Mauro Carmélio condiciona o retorno dos Estaduais e demais competições a uma redução no número de casos no País e, claro, os clubes realizarem protocolos bem sucedidos, evitando assim, contágios e possíveis paralisações pós-retorno.

“Todas os estados e federações trabalham com a queda da curva de contágio. Se baixar, os governadores podem liberar os jogos mais cedo, mas se aumentar, pode demorar ainda mais. Alguns clubes estão voltando a treinar agora. É um jogo de xadrez, jogado devagarinho. Cada momento é analisado. Amanhã ninguém sabe como ficará, pois o foco pode aumentar, suspendendo treinos ou até jogos. Todos os clubes precisam estar seguros, com todos testados, para que jogadores de um clube não infectem dos outros e o campeonato pare de novo”.

Na segunda (8), Carmélio se reunirá com os presidentes dos outros que disputam o estadual, visando uma unificação do protocolo de saúde, apresentá-lo e, em seguida, ajudá-los com a estrutura e insumos necessários para testagem de profissionais.