Aborto no início da gravidez e plantio de drogas para consumo próprio são descartados da reforma do Código Penal