Repórter Gabriel Luiz pensou que tentativa de latrocínio 'era alguém brincando'

Jornalista foi esfaqueado na ocasião e passou mais de 20 dias internado

Gabriel Luiz em participação no encontro
Legenda: O comunicador recebeu alta na última sexta-feira (6)
Foto: reprodução/TV Globo

O editor e repórter da TV Globo em Brasília, Gabriel Luiz, disse, nesta segunda-feira (9), que não percebeu que a abordagem realizada pelos dois suspeitos se tratava de um assalto. Ele foi esfaqueado próximo à própria casa, na capital do Distrito Federal, no dia 14 de abril. 

“Na hora, não percebi que era um assalto. Achava que era alguém brincando, pensei: 'o que está acontecendo?' Faço Krav Magá, sou faixa laranja de defesa pessoal e nem pensei em reagir na hora, por que imaginei: 'é alguém doido que tá brincando'. Só que aí ele [suspeito] começou a esfaquear e vi que o negócio era sério”.

Em participação no Encontro, o jornalista explicou que ao perceber a seriedade da abordagem, a primeira reação foi solicitar que a dupla parasse os golpes. “Teve uma hora que pedi para eles: 'pelo amor de Deus vai embora, me deixa em paz, leva tudo e vai embora'.”

jornalista recebeu alta na última sexta-feira (6), após ficar mais de 20 dias internado em uma unidade hospitalar para tratar os ferimentos.  

'Não vou morrer aqui'

Enquanto era esfaqueado, Gabriel Luiz revelou que teve a sensação de que conseguiria sobreviver ao episódio.  

"Alguma coisa dentro de mim dizia 'não vou morrer, não vou morrer aqui, não vai ser agora'. Eu tinha essa sensação que falava ‘olha, não é agora, não vai ser’, e Deus alinhou para que tudo desse certo”, revelou durante participação no programa Encontro. 

Em seguida, ele disse que saiu correndo em direção à portaria do prédio em que residia para pedir ajuda, mas que não tinha noção da gravidade dos próprios ferimentos.  

“Eu disse 'gente, liga para o bombeiro, pelo amor de Deus. Urgente!'. Então os vizinhos cuidaram de mim, os bombeiros chegaram logo, fui atendido pelos melhores médicos. Gente que nem sabia quem eu era, se eu era repórter ou não, mas, assim, fui atendido rapidamente, e tudo deu certo para que eu tivesse nenhuma sequela", detalhou.   

Imagens captadas pelas câmeras de segurança próximas ao local do ataque mostraram o comunicador sendo seguido por dois homens. Após o ferir, os suspeitos fogem. Dois indivíduos foram detidos menos de 24 horas após o crime. Segundo a Polícia, o caso se trata de uma tentativa de latrocínio

Aos investigadores, José Felipe Leite Tunholi, de 19 anos, e o suposto cúmplice, um adolescente de 17 anos, disseram que viram Gabriel como uma potencial vítima e decidiram assaltá-lo.  

Vídeo mostra ataque

Repórter quer ‘ficar mais recluso’  

Gabriel Luiz relatou estar emocionalmente abalado e que as imagens do acontecimento ainda são nítidas na memória. Ele disse ainda que não voltará a morar no endereço antigo.  

"Aquela cena [do ataque] passou tanto na minha cabeça, que às vezes fico assustado. Não estou em casa, estou com a minha família. Não quero mais voltar no lugar onde estava, até por que tinham outras situações que tinham acontecido lá. Já sabiam meu endereço, às vezes recebia uns dossiês, já cheguei a receber uma marmita que não sabia a procedência. Então, tudo leva para que eu não volte. Tenho muito carinho e gratidão por tudo que vivi, mas a minha vontade agora é sinceramente de ficar mais recluso”, detalhou.    

Apesar dos traumas, o jornalista esclareceu que está se sentindo esperançoso e animado por ter sobrevivido e quer superar o ataque, além de se dedicar a aproveitar a nova chance. 

"Quero muito virar a página logo. A sensação é de que quero viver muito mais, me agarrar a isso, aos meus amigos, minha família", afirmou.

Apesar de ter recebido alta, o repórter da TV Globo explicou que segue com alguns tratamentos e cuidados, principalmente em relação à alimentação, já que o pâncreas, um dos órgãos atingido no episódio, ainda está em estágio de recuperação.   

O comunicador ainda aproveitou a participação na atração para agradecer o carinho e as orações que recebeu durante o tempo que ficou no hospital. “Veio tanta mensagem de carinho de todo lugar do Brasil, tanta gente que se quer conhecia, gente também que nem sabia que eu iria ver aquelas mensagens e só tenho a agradecer pela torcida”. 

Antes de ir, que tal se atualizar com as notícias mais importantes do dia? Acesse o Telegram do DN e acompanhe o que está acontecendo no Brasil e no mundo com apenas um clique: https://t.me/diario_do_nordeste

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil