Cearense de 16 anos é baleado ao sair para comprar sorvete em morro do Rio de Janeiro

O caso aconteceu em uma comunidade vizinha onde a grávida Kathlen Romeu foi morta por uma bala perdida na terça (8)

Hospital Salgado Filho Rio de Janeiro
Legenda: Jovem foi levado para o Hospital Salgado Filho Rio, onde passou por uma cirurgia
Foto: reprodução/Google Maps

Um cearense de 16 anos foi atingido por uma bala perdida, nesta quarta-feira (9), no Morro São João, no Engenho Novo, Zona Norte do Rio de Janeiro. A comunidade é próxima ao Complexo do Lins, onde a designer de interiores Kathlen Romeu, de 24 anos, grávida de quatro meses, foi baleada e morta na tarde de terça-feira (8).  

O jovem tinha ido ao supermercado acompanhado de um amigo, de 11 anos, para comprar sorvete, e, ao retornarem para casa, eles foram surpreendidos por uma troca de tiros entre a Polícia e suspeitos, segundo relatou um primo do adolescente ao Diário do Nordeste. A dupla correu para se proteger, mas o adolescente foi alvejado no pescoço.  

A vítima foi socorrida e encaminhada ao Hospital Salgado Filho, no bairro Méier, onde está internada após passar por uma cirurgia. O estado de saúde oficial não foi divulgado, mas, conforme o parente, o cearense está "consciente" e já consegue "falar". A família aguarda mais informações dos médicos. 

A Polícia Militar disse ao portal G1 que o disparo atingiu o jovem de raspão, mas o familiar afirma que a bala chegou a ficar alojada no corpo. As autoridades de segurança investigam qual foi a origem do disparo. 

Ainda segundo informações da PM, agentes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de São João foram atacados por criminosos quando se deslocavam pela comunidade. 

Mudança de vida  

O adolescente é natural do Ceará, e residia no distrito de Nova Fátima, em Ipueiras. No início da pandemia da Covid-19, em 2020, ele, a mãe e a irmã resolveram se mudar para o município do Rio de Janeiro, onde possuem familiares, com a esperança de "melhorar a vida", relatou o primo do jovem.

No entanto, a família encontrou um cenário de violência. Um dia antes de o jovem ser atingido, uma designer de interiores, que estava grávida de quatro meses, foi morta por uma bala perdida enquanto caminhava pelas ruas da comunidade do Lins de Vasconcelos com a avó. A localidade fica na mesma região onde o cearense foi alvejado.     

"Nós que moramos em comunidade não adianta ter medo, nós nunca vamos andar um dia tranquilo. Nós saímos para rua, mas sem saber se volta para casa. [...] Mas, nunca esperei que iria acontecer com minha própria família", desabafou o familiar do adolescente sobre o dia-a-dia de moradores de comunidades cariocas. 

Morte de Kathlen Romeu  

Kathlen Romeu, de 24 anos, foi atingida e morta na terça-feira (8) por uma bala perdida na comunidade do Lins de Vasconcelos, Zona Norte do Rio de Janeiro. O caso aconteceu durante um confronto da Polícia Militar com um grupo criminoso da região.

Kathlen Romeu vítima de bala perdida no Rio
Legenda: A designer de interiores estava grávida de quatro meses
Foto: Reprodução

Em nota, a Polícia Militar alegou que o confronto começou após suspeitos atacarem agentes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Lins na localidade conhecida como "Beco da 14". Ainda segundo a corporação, a vítima foi encontrada ferida após a troca de tiros. Ela chegou a ser socorrida para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, mas veio a óbito.  

As investigações sobre a morte da gestante estão na Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), que ouvirá testemunhas e realizará diligências para identificar de onde partiu o disparo. Até agora, os policiais apreenderam apenas um carregador de fuzil, além de munições de calibre 9mm e drogas.  

No Instituto Médico Legal (IML), a avó de Kathlen detalhou que estava indo com a neta na empresa onde uma filha trabalha. A rua "estava tranquila. Foi tudo muito de repente", lembra.   

"A minha neta caiu, começou muito tiro. Quando eu puxei ela caiu, eu me machuquei ainda, me joguei para proteger ela, que está gravida. Eu só vi um furo no braço dela e gritei para eles me ajudarem a trazer. Perdi minha neta e meu bisneto". 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil