Na Itália, cearenses descrevem o clima de tensão com avanço do coronavírus

Empresária e estudante constatam preconceito contra asiáticos, além da falta de máscaras e álcool em gel nas farmácias

Legenda: Lara Ferreira, estudante em intercâmbio em Roma, vê aumento do preconceito contra asiáticos
Foto: Foto: Arquivo pessoal

Cearenses que moram ou visitam a Itália relatam um clima de apreensão no país europeu com o maior número de casos do novo coronavírus (400, além de 12 mortes). 

A empresária Thicyane Pinheiro, que faz turismo por lá com a família desde o último dia 22 de fevereiro, conta que viu, em Milão, moradores usando máscaras cirúrgicas. A próspera região da Lombardia (noroeste), que inclui Milão, a capital econômica do país, é a mais afetada, com 258 casos.

Legenda: Empresária Thicyane Pinheiro, acompanhada da família, cogitou interromper viagem e retornar ao Brasil
Foto: Foto: Arquivo pessoal

No terceiro dia da viagem, a situação se agravou, após cidades do Norte terem sido postas em quarentena. A família quis interromper a viagem e retornar ao Brasil. Ao conversar com amigos, inclusive residentes na Itália, decidiram ficar e tomar medidas de precaução.

“Estamos usando máscaras, lavando bastante as mãos, usando álcool em gel, evitando locais com muita gente. Até porque logo em seguida, Milão já tinha várias medidas preventivas, eles foram bem rápidos, interditaram museus, cinema, igrejas, então não visitamos nenhum local fechado e assim continuaremos até o fim da viagem”.

Após Milão, a família seguiu para Veneza, cidade que recebe diariamente muitos turistas, mas que acabou cancelando o tradicional Carnaval em decorrência do avanço do coronavírus. “A cidade está bem vazia; nas farmácias estão faltando máscaras e álcool em gel. Há um clima de tensão entre as pessoas que moram aqui”.

Preconceito com os imigrantes

Já Lara Ferreira, estudante de jornalismo, está em intercâmbio em Roma desde o início de fevereiro e revela perceber o preconceito dos italianos com os asiáticos.

“Quando algum asiático entra no transporte público e tosse ou boceja, eles já levantam e saem de perto, olham torto”.

A estudante também conta que, em Roma, o clima é de normalidade, apesar de que nos últimos três dias,  a precaução tenha se tornado mais intensa. "As pessoas estão começando a se precaver, usando máscaras; no transporte público eles usam álcool em gel, fecham os casacos até o nariz”. Lara diz que os imigrantes e turistas estão sempre com muita cautela em ambientes públicos. 

A cearense afirma que as universidades e escolas também estão aderindo às medidas preventivas. "Por exemplo, não estamos sem aulas, mas a nossa universidade lançou uma nota dizendo que se precisássemos faltar aula, é só comunicarmos, que as faltas serão abonadas”. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo