Comando governista terá dificuldade de anunciar o candidato ao governo sem deixar sequelas

Acirramento dos ânimos pode acabar em rompimento entre os partidos da aliança governista e até rusgas internas no PDT

Roberto cláudio, Ciro Gomes, Izolda Cela e Calos Lupi
Legenda: A escolha, qualquer que seja, precisará ser cirúrgica e fundamentada para manter a coalizão de forças nos mais diferentes níveis
Foto: Fabiane de Paula

O encontro regional do PDT, que ocorreu nesta quarta-feira (15), em Fortaleza, apresentou um panorama de dificuldade que o comando partidário vai ter para definir o candidato ao governo do Estado. No evento, ficou evidente que os dois nomes que se destacam estão muito distantes dos demais: a governadora Izolda Cela e o ex-prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio. 

“Nem eu, nem ninguém vai impor nome”. A frase repetida ao longo do encontro pelo ex-ministro e pré-candidato a presidente pelo partido, Ciro Gomes, um dos líderes a ocupar assento à mesa de decisão, tenta afastar a hipótese de indicação “de cima para baixo”.  

A declaração sinaliza que o comando do PDT local não tentará impor um nome. Ao mesmo tempo, ele se dirige ao PT, aliado que tem se manifestado com mais veemência ao sinalizar um “veto” a um dos nomes do PDT, conforme fala do deputado federal José Guimarães na semana passada.  

Ciro diz que o PDT vai levar “ao povo” o nome do candidato. O máximo que isso significa, evidentemente, é analisar pesquisas qualitativas e quantitativas para saber quem tem os índices de popularidade mais favoráveis. Entretanto, essa é só uma parte do processo.  

O nome a ser escolhido sairá mesmo da tal mesa de decisão que, ao que consta, deve ter a participação do ex-governador Camilo Santana (PT), que deixou o cargo em abril para concorrer ao Senado. 

As nuances da escolha 

O fato é que a escolha, qualquer que seja, precisará ser cirúrgica e fundamentada para manter a coalizão de forças nos mais diferentes níveis. E não é demais lembrar que os bastidores da atual disputa revelam um cenário sugestivo de sequelas. 

O ex-prefeito Roberto Cláudio, após oito anos à frente da Prefeitura, elegeu o sucessor em Fortaleza. Roberto não impôs seu nome, ele se viabilizou como candidato no grupo governista. O ativo principal, naturalmente, é a gestão da Capital. 

Izolda Cela, por sua vez, demonstrou lealdade ao projeto e realizações quando foi secretária na Educação e como vice-governadora. Além do mais, ela está no cargo e poderá ir para a reeleição. 

Os dois nomes são absolutamente próximos do comando. Resta agora observar, objetivamente, quais critérios serão usados para justificar a escolha.