Primeiro debate nos EUA tem clima agressivo, interrupções e gritaria entre Trump e Biden

O mediador precisou levantar a voz em diversos momentos para tentar controlar os ânimos no palco

Trump e Biden
Legenda: A estratégia de ambos foi tentar desconstruir o adversário e se consolidar como o nome mais capacitado para o cargo
Foto: Jim Watson/Saul Loeb/AFP

O primeiro debate entre Donald Trump e Joe Biden, na noite desta terça-feira (29), marcou um duelo agressivo, cheio de interrupções, xingamentos e gritaria entre os dois candidatos, que tentavam desconstruir o adversário e se consolidar como o nome mais capacitado para governar os EUA.

Logo nos primeiros minutos do embate, transmitido ao vivo pela TV americana, Biden perdeu a paciência ao ser interrompido pelo rival e pediu que Trump calasse a boca. "Você vai calar a boca, cara", disse o democrata, que já havia afirmado que "todo mundo sabe que Trump é um mentiroso" e classificado o presidente como o pior líder da história do país. "Não dá para falar com esse palhaço", completou Biden.

O presidente investia em sua habitual estratégia diversionista, em que interrompia o democrata, usava informações falsas e, algumas vezes, não deixava nem mesmo o moderador, o jornalista Chris Wallace, terminar a pergunta. Wallace precisou levantar a voz em diversos momentos para tentar controlar os ânimos no palco.

Biden, por sua vez, tentou centrar a pauta sobre a condução errática e ineficaz do presidente diante da pandemia que já matou mais de 205 mil pessoas no país, mas não conseguiu passar muito tempo sem cair nas provocações do republicano. Por diversas vezes, o democrata ria nervosamente e gaguejava.

"Você não pode resolver a economia até que resolva a crise da Covid-19. Ele [Trump] deve começar a trabalhar e cuidar das necessidades do povo americano, para que possamos reabrir com segurança", afirmou Biden.

O ex-vice de Barack Obama lembrou que Trump chegou a sugerir que as pessoas deveriam injetar desinfetantes para se proteger do coronavírus. "Eu estava sendo sarcástico", respondeu o presidente, insistindo que fez um bom trabalho, aprovado, em suas palavras, pelos governadores.

Trump pressionava para uma retomada de atividades que foi considerada precoce e resultou em diversos repiques de casos de Covid-19 pelo país. Diversos governadores, inclusive republicanos, precisaram rever suas retomadas para controlar a situação em seus estados.

"Ele [Biden] vai fechar o país inteiro e destruir todo o nosso país", disse Trump, sempre tentando relacionar Biden ao que chama de esquerda radical do Partido Democrata. O republicano diz que o ex-vice de Obama vai levar o socialismo aos EUA, numa tentativa de assustar eleitores moradores dos subúrbios, que costumam variar o voto nas eleições.

Questionado pelo presidente se concordava com seu discurso da lei e da ordem, Biden respondeu: "Concordo com lei e ordem com justiça, em que as pessoas são tratadas com justiça. Os crimes violentos caíram 17% sob nossa supervisão." Como mostrou a Folha, a retórica do medo não tem tido efeito em subúrbios de estados-chave, como a Carolina do Norte.

A estratégia de Biden era cristalizar a mensagem de que a campanha é um referendo sobre a má condução de Trump da pandemia mas também investiu sobre as informações de sonegação de impostos por parte do presidente, divulgada pelo jornal The New York Times.

"Mostre-nos suas declarações de impostos", pediu Biden. "Você os verá assim que terminarem", respondeu Trump, sem responder a pergunta sobre quanto pagou ao fisco.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo