Ex-aeromoça diz ter filho com príncipe Albert II

Paris - Barulho à vista na família real de Mônaco. Nicole Coste, uma ex-aeromoça da companhia Air France nascida na República Togolesa, afirmou ser a mãe de um bebê de 20 meses cujo pai seria o príncipe Albert II.

Em entrevista à revista francesa Paris-Match, ilustrada com fotos de Albert II com o menino em seus braços, em diferentes momentos de seu crescimento, Coste, de 33 anos, garantiu que o príncipe assinou perante um escrivão a ata de reconhecimento de paternidade quando Alexander tinha quatro meses.

Em 15 de dezembro de 2003, Albert de Mônaco “assinou o ato de reconhecimento”. “Ele fez isso por respeito a mim, pedindo que não fosse transmitido à prefeitura até a morte de seu pai”, disse Coste, que tem dois filhos de seu casamento anterior.

Nicole Coste, que estava em processo de separação quando conheceu Albert II num vôo de Paris a Nice, em 13 de julho de 1997, tentou conseguir uma cópia desse documento. Mas o escrivão segundo ela, sempre negou a solicitação e pediu que esperasse, apesar da morte de Rainier, em 6 de abril.

Rainier não conheceu esse suposto neto, mas ela e o menino visitaram sua câmara ardente, após - sempre de acordo com Nicole Coste - entrarem por “uma porta lateral”.

“O não reconhecimento de uma criança equivale a negar suas raízes. No Togo, meu país de origem, é algo muito importante. Uma criança é sempre uma alegria”, disse Coste para explicar sua decisão de revelar a existência de Alexander.

Mônaco, por sua vez, mantém o silêncio, mas o advogado da família Grimaldi deu a entender que ela iniciará atuações judiciais.

Em meados de abril, um jornal britânico afirmou que Albert II era pai de uma menina americana de 13 anos, chamada Jazmin Grace Grimaldi e nascida de uma relação com a californiana Tamara Rotolo.