Vavá fala de polêmicas e glórias no Bate-Papo Com os Craques; ouça

Considerado o talismã alvinegro na segunda metade dos anos 2000, Vavá também tem história no Fortaleza ao marcar gols que salvaram o time da Série D em 2011. Ele relembra histórias e polêmicas que marcaram a carreira

Legenda: Vavá ainda permanece em atividade. O último clube que jogou foi o Barbalha, na disputa do Campeonato Cearense de 2020, mas sem destaque
Foto: Foto: Kid Júnior

Um dos centroavantes mais promissores do futebol cearense com passagens importantes por Ceará e Fortaleza. O sincero Vavá viveu alguns momentos de polêmica na carreira, mas também de algumas glórias dentro de campo.

Em outro momento do futebol local, com muitos problemas financeiros e extracampo, na metade dos anos 2000, o atacante foi protagonista do Alvinegro, quando surgiu como uma promessa e talismã pelos gols importantes marcados para o Vovô nas disputas da Série B daqueles anos. Mais tarde, em 2011, no Fortaleza, viveria um dos momentos mais tensos da história do clube. E foi ele que marcou gols importantes.

Nada de errado

O atacante é enfático ao falar que a partida do Tricolor contra o CRB, que é cercada de polêmica, nada teve de errado além da equipe ter atrasado na volta do intervalo.

Ouça o podcast Bate-Papo Com os Craques

"Era uma situação difícil, cheguei na metade do campeonato, tinha semanas que cinco jogadores eram contratados e dez iam embora, foi muito delicado. Tivemos que entrosar rápido para aquele bendito jogo contra CRB, polêmica de cheque e que deixaram fazer gol, mas nada disso aconteceu. Nós massacramos eles no primeiro tempo e não conseguimos o gol, fomos rebaixados para vestiário. Se a gente não tirasse Fortaleza daquele momento, nem do estádio a gente sairia. Só fizemos uma coisa errada durante o jogo, foi a demora para retornar para o gramado e ainda voltamos com vestiário idêntico ao do CRB para atrasar em 25 minutos", disse.

Segundo o atacante, houve muita tensão para que o gol salvador fosse marcado. "Fomos só de 'coração', sem técnica e com muita raça. Quando eu fiz o terceiro, gritamos em campo que faltava só um e o Carlinhos Bala pegou a bola e saiu repetindo até o meio campo, eufórico e gritando que faltava só um. O único cheque que teve na partida foi do Osmar Baquit para gente no vestiário e disse que tinha R$ 100 mil para sair do PV sem ser rebaixado. Ele deixou o cheque com capitão que era o Carlinhos Bala. Foi só isso que aconteceu".

Lamentos

O melhor momento de Vavá no futebol aconteceu em 2008, quando atacante fez gol em Clássico-Rei e também era o artilheiro do time. No entanto, segundo Vavá, a saída da equipe para que Ciel entrasse abalou o psicológico dele. "Eu vinha bem na Série B, tinha feito gol da vitória contra Fortaleza, na sequência jogamos contra Grêmio Barueri em São Paulo e perdemos. Depois tinha o Corinthians, na época estava na segunda divisão do Brasileiro e eu era artilheiro do Ceará com oito gols".

A entrevista completa com o artilheiro Vavá pode ser conferida na íntegra no podcast "Bate-Papo com os Craques", que está disponível no site do Diário do Nordeste e também no site da Verdinha, assim como no Spotify e Deezer.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte