Com trajetória iniciada em Fortaleza, Borrachinha luta por cinturão

Brasileiro encara Adesanya, atual campeão dos médios, em confronto que terminará em 1ª derrota para um dos lutadores ou cinturão que já foi de Anderson Silva. Os dois lutadores se desentenderam na encarada

Legenda: Paulo Borrachinha luta por cinturão contra o Israel Adesanya
Foto: Natinho Rodrigues

Quando Paulo Henrique Costa, o “Paulo Borrachinha”, entrou no octógono em março de 2017, em Fortaleza, contra o sul-africano Garreth McLellan, sempre teve em mente chegar ao desafio que terá neste sábado no UFC 253, na Ilha da Luta, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Ele encara o atual campeão Israel Adesanya pelo cinturão dos pesos-médios. O card preliminar do evento começa às 19h30.

De McLellan para hoje, uma sequência impressionante de quatro nocautes e uma vitória pela decisão dos juízes, esta contra o cubano Yoel Romero, em agosto de 2019. E muita provocação contra o atual campeão e adversário desta noite, o nigeriano Israel Adesanya.

Provocação que permaneceu até a pesagem e encarada oficial dos dois lutadores, ontem. Borrachinha entregou uma faixa branca para o oponente enquanto ostentava faixa preta. A atitude irritou o nigeriano, que partiu para o confronto até ser contido pelo presidente do UFC, Dana White.

Dana e seus seguranças tiveram muito trabalho para conter Adesanya e Borrachinha. O brasileiro dizia que queria encarar Adesanya. Este, por sua vez, imobilizado, imitava o famoso golpe do filme “Karate Kid” com braços e pernas. Sem condições de realizar a encarada, Dana White optou por pedir aos seguranças que retirassem os dois do palco por lados diferentes, encerrando a pesagem.

A rivalidade entre os lutadores, hoje uma das maiores da organização, foi impulsionada pelo adiamento do confronto, que ocorreria em março de 2020. O brasileiro teve lesão no bíceps, e não pôde lutar. Mas a série de ofensas dos dois lados continuou.

“Eu acredito que ele tenha boas habilidades. A sua melhor habilidade é fugir, evitar a luta. Ele é especialista nisso, é muito bom quando decide fazer isso. Tentei perguntar a ele porque ficou parado quando enfrentou o (Yoel) Romero. A única coisa mais perturbadora do que o seu cabelo foi a atuação contra o Romero”, declarou o brasileiro, em referência ao combate morno entre o nigeriano e Romero, em março, no UFC 248.

“Ele é burro. É burro e anda pra frente soltando os golpes. É o que realmente deixa a luta empolgante, e o que estou ansioso para vê-lo fazer. Estou ansioso para ver esse ignorante correndo até mim, tentando me atingir, enquanto eu me movimento e o acerto. As únicas pessoas que derrotou dignas de alguma coisa, que eram ranqueadas, foram Hall e Romero. Quem mais ele derrotou no ranking?”, disse Adesanya sobre o confronto do brasileiro.

Lembrança

O confronto entre os dois lutadores, que têm estilos diferentes - o brasileiro mais agressivo e o nigeriano mais habilidoso -, trouxe a comparação com a chamada “luta do século” entre Anderson Silva e Victor Belfort, em 2011, no Rio de Janeiro, também pela categoria dos pesos-médios. Na ocasião, Anderson Silva venceu o compatriota com um nocaute histórico após um chute.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte

Assuntos Relacionados