Bastidores da final da Copa do Nordeste têm apagão na Arena Castelão e emoção de Vojvoda

O Fortaleza venceu o Sport, neste domingo (3), e conquistou o título regional

Mosaico do Fortaleza na partida contra o Sport, final da Copa do Nordeste
Legenda: Mosaico do Fortaleza na partida contra o Sport, final da Copa do Nordeste
Foto: Karim Georges / Fortaleza EC

O Fortaleza Esporte Clube conquistou a Copa do Nordeste de 2022, o segundo título da história tricolor na competição. E a final contra o Sport, neste domingo (3), foi marcada por recorde de público no futebol cearense, mosaicos, apagão no estádio, gramado ruim, polêmica com VAR e muita festa.

A sucessão de acontecimentos, de fato, se intensificou na reta final da partida. Com 45 minutos do 2º tempo, a luz falhou no equipamento esportivo - a forte chuva na capital cearense também resultou em queda de energia em outros locais. Assim, a torcida leonina protagonizou um mosaico especial.

Mesmo com parte dos refletores apagados, o jogo seguiu. O cenário então foi de pouco futebol e muito conflito, com excesso de faltas, discussões no banco de reservas e uns acréscimos que se esticaram por quase 15 minutos. O Sport marcou um gol aos 50, invalidado por uma falta de ataque.

Imagem da Arena Castelão com fogos e show pirotécnico
Legenda: A torcida do Fortaleza protagonizou uma grande festa na Arena Castelão
Foto: divulgação / Fortaleza

O time rubro-negro também reclamou de um pênalti, inicialmente marcado pela arbitragem, mas transformado em falta após checagem do árbitro de vídeo (VAR) em lance de Benevenuto e Búfalo. No fim, a vitória cearense por 1 a 0, com gol de Pikachu, de pênalti, para delírio do torcedor.

Emoção de Vojvoda e Paz

A torcida do Fortaleza lotou a Arena Castelão, em jogo que marcou o recorde de público do futebol cearense em 2022: 60.045 espectadores. E a festa começou desde a chegada da delegação tricolor. O técnico argentino Juan Pablo Vojvoda se emocionou muito ao ser ovacionado pelos torcedores.

Na arquibancada, os leoninos cantaram alto desde o início. Na entrada da equipe em campo, um mosaico com a frase “Rei Leão” e a figura em 3D do mascote do clube em um trono. Bandeirões também foram exibidos, com uma festa em Led no fim, já com as luzes apagadas do equipamento.

Aos 58 minutos, o apito final. O momento de maior festa foi a entrega da taça, o grito de “bicampeão” ecoou pelos quatro cantos da Arena Castelão. Muitos jogadores festejaram, mas a taça do Nordestão ficou nas mãos do presidente Marcelo Paz. O dirigente comemorou demais e gritou: “é nossa”.

Muita chuva e torcedor do Sport preso

Uma forte chuva foi registrada durante a partida. E o impacto ficou visível no gramado da Arena Castelão, com acúmulo de água e poças impedindo a fluidez do jogo.

Na arquibancada, a situação resultou em cânticos mais altos dos tricolores: tudo virou festa. Teve até quem aproveitasse o espaço para ficar em uma "piscina improvisada".

Todavia, o cenário foi diferente para o torcedor do Sport. Em menor número, também cantou muito durante a final, mas enfrentou transtornos para deixar a praça esportiva. A espera para deixar o espaço reservado aos visitantes demorou quase 2h com após o término da partida.

Tudo foi marcado por tumulto junto das forças de segurança do local e ainda contou com a luz do estádio apagada depois da conclusão da entrega da taça. O episódio resultou em muita reclamação dos pernambucanos.