Vojvoda e Matheus Jussa poupam críticas à arbitragem e ressaltam trabalho de equipe do Fortaleza

Técnico e zagueiro do Leão do Pici evitaram comentar a atuação do árbitro de campo no jogo contra a Chapecoense

fortaleza e chape
Legenda: Tricolor venceu partida por 2x1 contra o time catarinense
Foto: Leonardo Moreira/FortalezaEC

Embora tenha sido alvo de críticas dos torcedores, a arbitragem da partida entre Fortaleza e Chapecoense foi poupada de avaliações por parte do time tricolor. O zagueiro Matheus Jussa, por exemplo, avaliou que a equipe conseguiu ter êxito independentemente das falhas não marcadas em campo. Já o técnico Vojvoda reforçou que a atenção dos jogadores deve ser apenas com o desempenho. 

Em coletiva de imprensa na noite desse sábado (16), após o jogo pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, Jussa foi questionado se uma "má arbitragem" atrapalha o rendimento do time. O zagueiro até reconheceu que sim, mas frisou que a sintonia da equipe em busca do mesmo propósito se sobressai aos erros dos árbitros de campo.

"Atrapalha bastante, mas a gente tem que fazer nossa parte. Se a gente fizer um bom jogo, um jogo equilibrado, concentrado até o final, não tem que ligar para arbitragem e tem que fazer o nosso papel. No final, vamos ter êxito", justificou.

Vojvoda também chegou a ser instigado para opinar se considera a arbitragem um "adversário". No entanto, o comandante tricolor pontuou que o foco sempre é no time rival.

"O Fortaleza joga para melhorar o seu rendimento. Isso eu falei com os atletas que nós sabemos, prestamos atenção no adversário, o principal é melhorar a nosso time, e para isso temos que focar nossa cabeça em nosso rendimento. Se nosso rendimento é bom, superaremos o adversário". 

Erros

Na avaliação do colunista do Diário do Nordeste André Almeida, a arbitragem do jogo foi "confusa e com erros", a exemplo da não expulsão de Jordan pela entrada dura em Ángelo Henríquez e do gol anulado de Bruno Melo por conta de Tinga.

Contudo, ele destacou a atuação do VAR Pablo Ramon Goncalves Pinheiro que evitou um "erro grotesco". Tudo ocorreu quando o árbitro de campo Zandick Gondim Alves Junior mandou seguir a jogada mesmo com o toque de mão de Moisés, da Chapecoense, o que permitiu um gol de Kaio Alves na sequência.

O VAR foi chamado e entendeu que Tinga, em posição de impedimento, interferiu no lance ao atrapalhar o goleiro Keiller e recomendou a revisão do árbitro, o árbitro de campo, que anulou o lance.

O Leão do Pici agora volta as atenções para o duelo contra o Atlético-MG, pela semifinal da Copa do Brasil. O jogo de ida será realizado às 21h30min desta quarta-feira (20), no estádio Mineirão, em Belo Horizonte.

 

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte

Assuntos Relacionados