Fortaleza vence a Chape em jogo marcado por interferências do VAR e se garante em 3º mais uma rodada

Tricolor conquistou a segunda vitória seguida no Brasileirão

Bruno Melo cruzando a bola no momento do gol
Legenda: Bruno Melo marcou o gol do Fortaleza
Foto: Leonardo Moreira/Fortaleza

Um jogo maluco, com cenários distintos, reviravoltas e marcado por interferências do VAR. E com uma dificuldade que muitos tricolores não imavinagam. Assim foi a vitória do Fortaleza por 2 a 1 sobre a Chapecoense, na noite deste sábado (16), pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, o Tricolor chegou aos 45 pontos e, assim, se garante como 3º colocado por mais uma rodada, já que não pode ser alcançado pelo Bragantino, 4º colocado e que tem 41 pontos.

O Leão do Pici agora volta as atenções para o duelo contra o Atlético-MG, pela semifinal da Copa do Brasil. O jogo de ida será realizado às 21h30min desta quarta-feira (20), no estádio Mineirão, em Belo Horizonte.

PRIMEIRO TEMPO

Legenda: Matheus Vargas foi novamente titular no Fortaleza
Foto: Leonardo Moreira/Fortaleza

A etapa inicial foi completamente dominada pelo Fortaleza. Desde o início, o time comandado por Juan Pablo Vojvoda tomou conta das ações ofensivas, impôs seu ritmo de jogo e pressionou a Chape. Tanto é que abriu o placar logo aos cinco minutos, com Bruno Melo.

E mesmo com a vantagem, teve chances de ampliar o placar. Em 13 minutos, teve seis finalizações. Fez um gol, teve um gol de Yago Pikachu anulado (corretamente, mas por milímetros, naquela que foi a primeira intervenção do VAR na partida) e seguia ditando o ritmo. Mesmo com as mudanças, sem Titi, Ederson e Lucas Crispim, poupados, o padrão foi mantido.

Aos 40 minutos, o Tricolor chegou ao número de 10 finalizações, enquanto o time da casa não havia concluído nenhuma jogada. A Chape simplesmente não conseguia jogar e Pintado já preparava substituições ainda na etapa inicial.

Até que aos 41 minutos o zagueiro Marcelo Benevenuto cometeu uma falha bizarra na saída de jogo e perdeu a bola para Rodriguinho, que deixou tudo igual e recolocou a Chapecoense na partida antes do intervalo.

SEGUNDO TEMPO

O cenário da etapa final foi completamente diferente. Embalada pelo empate, a Chape voltou melhor para o 2º tempo e começou pressionando, inclusive levando perigo ao gol de Felipe Alves logo no início do jogo, com Geuvânio, que entrou muito bem.

O Tricolor voltou desconectado e errando bastante. Vojvoda fez mudanças, lançando Romarinho, Ederson, Wellington Paulista e Lucas Lima no jogo, para tentar mudar a dinâmica ofensiva, mas sem sucesso.

A chegada de mais perigo veio em um ponto forte do Leão do Pici: a bola parada. Aos 31 minutos, Yago Pikachu cobrou falta na área e Bruno Melo marcou de cabeça.

VAR EM AÇÃO

Aí entrou em ação um personagem decisivo que sequer estava em campo. Pablo Ramon Goncalves Pinheiro, o árbitro de vídeo, se transformou em protagonista na partida. Ele entendeu que Tinga, que estava impedido, interferiu no lance ao atrapalhar o goleiro Keiller e recomendou a revisão de Zandick Gondim Alves Junior, o árbitro de campo, que anulou o lance.

Na sequência, aos 40 minutos, Tinga tentou cruzamento e a bola claramente bateu no braço de Moisés Ribeiro. Zandick estava de frente para o lance mas não marcou a penalidade. O lance seguiu e Kaio Nunes marcou um golaço, com chute no ângulo. A Chape havia virado o jogo.

Acontece que Pablo Ramon, o VAR, viu o lance de mão. E recomendou a Zandick a revisão no campo. O árbitro, então, anulou o gol da Chape e marcou pênalti para o Fortaleza, que Pikachu cobrou e decretou a vitória leonina, com direito a beijos para a torcida da casa (e cartão amarelo pela provocação).

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte