"Vamos escalar o que temos de melhor para a final", garante Ceni para Clássico-Rei no Cearense

Técnico comentou na coletiva pós-jogo sobre o desempenho tricolor diante do Santos

Legenda: "Vamos tentar mais um título para a história do clube", afirmou o treinador
Foto: Camila Lima / SVM

O empate entre Santos e Fortaleza neste domingo (27) por 1 a 1 na Vila Belmiro refletiu o equilíbrio dentro de campo, segundo o técnico tricolor, Rogério Ceni. Na coletiva pós-jogo, o comandante analisou a postura das duas equipes pela 12ª rodada do Brasileirão.

>Veja tudo sobre o Clássico-Rei da primeira final do Cearense 2020

"O primeiro tempo não foi do Santos. Metade do primeiro tempo o Fortaleza esteve melhor no jogo, teve controle do jogo. O Santos foi melhorando no passar do primeiro tempo. Foi bem equilibrado. O segundo tempo foi bem parelho, com o Santos com mais posse. Mas fizemos o gol, ganhamos mais confiança. Tivemos as nossas oportunidades. É normal que o Santos se saia um pouco melhor do que nós dentro da sua casa", comentou o treinador.

O foco nesta semana é total para o Clássico-Rei desta quarta-feira, 1º duelo da final do Campeonato Cearense. Contra o rival Ceará, Ceni garante o melhor do Leão em campo, sem poupar atletas.

"Temos que viver jogo por jogo. Ser campeão estadual ainda é um fator importante. Não podemos abrir mão. Mas o calendário vai pesando. Estamos no limite. O cansaço da viagem... Vamos escalar o que temos de melhor para a final contra o Ceará. Vamos priorizar sempre o próximo jogo. Vamos tentar mais um título para a história do clube", disse o técnico.

Ceni explicou uma situação que gerou debates nas redes sociais durante a partida contra o Peixe. Osvaldo foi substituído aos 15 minutos da 2ª etapa por Ronald e balançou a cabeça à beira do campo, aparentemente contestando a alteração do treinador. 

"O Osvaldo saiu porque existe excesso de jogos. Eu preciso contar com ele na quarta-feira e no fim de semana. Preciso preservar o atleta. Ele não perguntou nada, ele balançou a cabeça. Eu falei para ele ‘você não vai balançar a cabeça para mim’, no sentido de reprovar. Ele disse que não, que balançou porque estava cansado. E depois isso é do jogo, normal. Osvaldo é um ótimo menino, bom de se trabalhar. Mas tenho que pensar no todo. As substituições são para preservar a integridade física dos atletas", afirmou o comandante tricolor. 

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte