Caso Bárbara: suspeito encontrado morto fez serviço na casa da família da menina dias antes

Paulo Sérgio era vizinho dos pais da garota e costumava trabalhar em casas da região

montagem de fotos de suspeito de matar bárbara ao lado da menina
Legenda: O suspeito foi flagrado por câmeras andando ao lado de Bárbara na rua
Foto: Reprodução

O homem de 50 anos encontrado morto e suspeito de matar a menina Bárbara havia feito um serviço na casa da família dela dois dias antes. Ele trocou uma fiação elétrica e viu a criança de 10 anos em Ribeirão das Neves, Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG).

Paulo Sérgio de Oliveira foi encontrado com sinais de que teria tirado a própria vida nessa quarta-feira (3), dois dias após ser conduzido à delegacia pela Polícia e ser liberado. As informações são do O Globo. 

O homem era vizinho da família de Bárbara e costumava realizar alguns serviços de reparo na região como troca de chuveiro e instalação de tomadas. Paulo foi visto outra vez na presença da criança, no domingo (31). 

Investigação 

O suspeito foi flagrado por câmeras andando ao lado dela. Bárbara atravessa uma rua ao lado do adulto, vestido de preto. Ele faz um sinal, e a criança para na calçada, na esquina, e espera enquanto ele segue adiante.

Após pouco mais de um minuto, quando o relógio do câmera marca 17h53, o homem retorna e eles voltam a atravessar a mesma rua juntos, no sentido oposto.

"É fato inegável que o último registro da Bárbara viva foi próximo do suspeito", indicou a advogada da família da menina, Aline Fernandes, ao O Globo. 

Caso Bárbara

Bárbara Vitória, de 10 anos, foi encontrada morta na manhã da última terça-feira (2). Ela estava desaparecida desde o último domingo (31) em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A criança havia saído de casa para ir a uma padaria e não voltou mais. Conforme boletim de ocorrência da PM, primeiro o homem negou ser quem aparecia nas imagens e disse que não conhecia a menina. Depois, confirmou que era ele no vídeo e falou que conhecia Bárbara, mas que não tinha feito nada com ela.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil