Vacina AstraZeneca contra Covid-19 pode ter 'vínculo' com casos de trombose

A informação foi divulgada pelo diretor de estratégia de vacinas da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), Marco Cavaleri, em entrevista a um jornal italiano

Frasco da vacina Astrazeneca contra a Covid-19 na frente da caixa do imunizante
Legenda: Para o laboratório, os benefícios do imunizante superam os riscos dos efeitos colaterais
Foto: Shutterstock

A vacina contra a Covid desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com o laboratório AstraZeneca, pode ter "um vínculo" com casos de trombose registrados em pessoas que receberam o fármaco.

A informação foi divulgada, nesta terça-feira (6), pelo diretor de estratégia de vacinas da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), Marco Cavaleri, em entrevista ao jornal italiano Il Messaggero.

"Agora podemos afirmar, está claro que há um vínculo com a vacina, que provoca esta reação. Mas ainda não sabemos por quê (...) Em resumo, nas próximas horas vamos declarar que existe um vínculo, mas ainda temos que entender por quê acontecer", disse.

A agência europeia deve se pronunciar oficialmente sobre o tema, afirmou Cavaleri.

"Estamos tentando ter um quadro preciso do que está acontecendo, para definir a síndrome devido à vacina (...) Entre as pessoas vacinadas se registrou um número de casos de trombose cerebral entre jovens superior ao que esperávamos. Vamos ter que afirmar isto", explicou.

Casos raros

Há várias semanas foram detectadas suspeitas sobre possíveis efeitos colaterais graves, embora raros, entre as pessoas vacinadas com o fármaco da AstraZeneca. Seriam casos de trombose atípica, incluindo alguns que provocaram a morte. 

No Reino Unido foram registrados 30 casos e sete mortes de um total de 18,1 milhões de doses administradas até 24 março. 

Para a EMA "não se demonstrou um vínculo causal com a vacina", afirmou há alguns dias a diretora-executiva da agência, Emer Cooke.

Para a agência europeia de acordo com os conhecimentos científicos atuais, "não há provas que apoiem a restrição do uso desta vacina em nenhuma população". 

Para Paul Hunter, especialista em microbiologia médica da Universidade de East Anglia, entrevistado pela AFP, "a evidência aponta mais para a vacina Oxford-AstraZeneca como causa".

Como precaução, vários países determinaram a aplicação desta vacina a algumas faixas etárias, como França, Alemanha e Canadá. 

Para a AstraZeneca os benefícios da vacina na prevenção da Covid-19 superam os riscos dos efeitos colaterais. O laboratório anglo-sueco afirmou no sábado (3) que a "segurança do paciente" é sua "principal prioridade".