Encontro entre Sarto e Camilo durou duas horas e deu sinalização positiva a aliados sobre a sucessão

Prefeito e ex-governador estiveram juntos em almoço no Paço Municipal. Sarto já defendeu o nome de Roberto Cláudio para a sucessão. O PT, de Camilo, prefere Izolda

Camilo Santana e José Sarto
Legenda: Encontro entre Camilo e Sarto sinaliza aos aliados que o diálogo está aberto entre as lideranças do grupo
Foto: Reprodução

Durou quase duas horas o encontro, ocorrido nesta quarta-feira, no Paço Municipal, em Fortaleza, entre o prefeito da Capital, José Sarto (PDT), e o ex-governador Camilo Santana (PT). Foi um almoço entre os dois que, segundo apurou esta coluna, havia sido sugerido antes mesmo de Camilo deixar o governo, mas que se confirmou agora. 

O encontro entre os dois, em clima ameno, dá uma sinalização positiva aos aliados do grupo governista diante de um clima de hostilidades e muito disse-me-disse nos bastidores sobre a sucessão estadual, que se aproxima do momento de definição. 

Petistas de destaque, correligionários de Camilo Santana, já tornaram pública a preferência por Izolda Cela para liderar a aliança como candidata à reeleição. Camilo tem dado sinais no mesmo sentido. 

Sarto, por sua vez, foi o primeiro pedetista de destaque a assumir apoio ao nome do ex-prefeito Roberto Cláudio, seu antecessor no cargo. Ainda em março, o prefeito, questionado pelo Diário do Nordeste, defendeu o correligionário como o “nome mais preparado” para o cargo. 

Escalada de tensão

Desde o início de maio, quando Ciro Gomes fez duras críticas ao PT do Ceará, e complementou com uma sinalização clara a Roberto Cláudio, destacando ações do ex-prefeito no Executivo, a escalada de tensão só cresce entre os aliados. 

Diferentemente do que ocorreu nas últimas eleições, em que o candidato governista só foi resolvido no fim do prazo para convenções, as lideranças do grupo estão sinalizando que as conversas para a definição serão antecipadas.  

Sarto e Camilo, certamente, participarão ativamente do processo. E o encontro sinaliza aos aliados que o diálogo está aberto entre as lideranças do grupo.