Cearense quer o mundo

Esdras Tikinho participou do mundial da categoria e mantém vivo o sonho de se tornar campeão

Na reportagem radical de hoje, vamos acompanhar o passo a passo da caminhada de um cearense que recentemente conquistou o vice-campeonato mundial de sandboard. A preparação, a ansiedade, os treinos exaustivos, as angústias, a adrenalina da competição, os resultados e principalmente a fé de, em breve, alcançar o degrau mais desejado, o de campeão mundial.

Esdras ficou com dois segundos lugares no mundial realizado no Peru Foto: Divulgação

Essa história você acompanha agora na carona do multicampeão Esdras Tikinho.

Ele é um daqueles obstinados pelo esporte. Apaixonado pelo sandboard, desde muito cedo começou a deslizar sobre as dunas da Praia da Sabiaguaba, onde mora. E não parou mais. De promessa à realidade, sua ascensão foi meteórica e com diversas conquistas pelo caminho, incluindo-se aí dois títulos brasileiros da modalidade.

Mas Esdras quer mais. Sua atual motivação é a conquista do título mundial. E para isso, nos últimos meses ele transformou sua rotina de uma maneira que tudo em sua vida está voltado para a conquista deste objetivo.

Nesse sentido ele focou nos treinamentos e na difícil equação entre esforço e lesões. Isto é, nem treinar demais a ponto de lesionar músculos e articulações, nem de menos, o que poderia acabar afetando seu desempenho na prova, sobretudo pela falta de confiança causada pelo pensamento de que poderia ter treinado um pouco mais.

Foi com essa preparação que Esdras partiu do Ceará em direção à Terra Sagrada dos Incas, mais precisamente nas gigantescas dunas do deserto peruano, localizadas na cidade de Huacachina, para participar do mundial da modalidade, que ele próprio chamou de: “uma competição eletrizante”.

“O título mundial é o mais esperado, sonhado e desejado de minha vida. Não há um único dia que eu não pense nisso, não me vejo fazendo uma descida perfeita e subindo no topo do pódio mundial”, declarou.

Parelho

Segundo Esdras, as disputas do mundial foram muito acirradas. Os peruanos, além de serem acostumados com as características das dunas de seu país, também são muito radicais. Isso lhes confere uma significativa vantagem que tem de ser levada em consideração por qualquer um que sonhe com o título. Sem falar que as manobras estão cada vez mais modernas e ousadas, com voos e giros combinando muitas vezes duas ou até mais manobras em um único salto.

Na categoria Slalon, modalidade em que o competidor percorre um trajeto desviando de bandeirolas, Esdras ficou em 1º, com 23 segundos, o melhor tempo nas eliminatórias, descendo 150 metros em um percurso muito difícil e técnico. Na grande final, o cearense ficou em 2º com o tempo de 26seg, perdendo por apenas três segundos para o peruando Victor Dito Chavez.

Na modalidade Boarder Cross, espécie de corrida em que avança quem chega primeiro na linha de chegada, Esdras superou os favoritos americanos, mas caiu diante do conterrâneo Willame Oliveira, ainda nas eliminatórias. Com o resultado, Willame ficou em 1º e Esdras terminou na 4ª colocação.

Big Air

Como as duas modalidades anteriores não eram especialidade de Esdras, ele ainda não havia mostrado seu real potencial na competição. Foi aí que começaram os embates da Big Air, sua especialidade e modalidade preferida. A categoria é aquela em que o competidor desce a duna e salta em uma rampa fazendo evoluções com verdadeiros saltos mortais espetaculares.

Mais uma vez o cearense ficou com a segunda colocação. “Todo o meu trabalho e esforço foram colocados à prova. Naquele momento senti na pele a realidade do ditado que diz que a prática leva à perfeição. Ainda não foi dessa vez que consegui meu objetivo maior, mas não tenho do que reclamar”, disse.

SAIBA MAIS

Um pouco de história

Com tantas dunas espalhadas pelos quase 600km de litoral, o surgimento de atletas de sandboard de alto rendimento no Ceará seria apenas uma questão de tempo.
Esdras Tikinho foi um dos primeiros competidores do Estado. No primeiro circuito de sandboard realizado no Ceará e no Brasil, no ano de 1998, ele foi o grande vencedor na categoria Iniciante, com apenas 11 anos

Marco

Foi no ano 2000 que ele marcou seu nome na história do esporte. Naquele ano foi montada na Praia do Futuro a 1ª pista e rampa artificial de sandboard do mundo. Aos 13 anos, Tikinho roubou a cena e se tornou notícia no meio radical

George Noronha

Especial para o Jogada

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte