Esposa de Ronnie Lessa é presa por tráfico internacional de armas dois dias após sair da cadeia

PF e MPF identificaram que uma carga vinda de Hong Kong com 16 quebra-chamas foi destinada a um estabelecimento do qual o casal era sócio

elaine lessa de perfil
Legenda: Esposa de Ronnie Lessa, Elaine foi presa novamente - agora por tráfico internacional de armas
Foto: Arquivo pessoal

A Justiça Federal do Rio de Janeiro decretou uma nova prisão por tráfico internacional de armas para Elaine Lessa - esposa de Ronnie Lessa, que também foi condenado pelo crime - neste domingo (18). Ela já havia sido presa por outra ilegalidade, mas foi liberada da cadeia na sexta-feira (16).

Ronnie vai a júri popular por acusação de assassinato da vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

A investigação começou em 2017, quando o Aeroporto Internacional Tom Jobim, Galeão, no Rio de Janeiro, identificou uma carga de 16 quebra-chamas para fuzil AR-15 vinda de Hong Kong e com destino para a Academia Supernova, que era de Elaine e Lessa, no Rio das Pedras, região de milícia no Estado.

O material serve para conter as chamas formadas por disparos de arma de fogo e não revelar a posição de quem deu o tiro. 

Logo o Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público Federal (Gaeco/MPF) e a PF descobriram que o casal era responsável pela importação do material. Por isso, os dois receberam mandados de prisão e viraram réus pelo crime. 

Além de terem sido alvo de mandados de prisão, Lessa e Elaine viraram réus pelo crime de tráfico internacional de armas de uso restrito.

"Os quebra-chamas ilegalmente importados pelos denunciados são acessórios tipicamente utilizados em confrontos armados ou emboscadas. Se pode deduzir que tais acessórios seriam empregados em confrontos armados entre organizações criminosas que assolam o Rio de Janeiro, ou na eliminação sumária e velada de inimigos e desafetos”, concluiu o MPF, no pedido de prisão.

Elaine volta à prisão

Na sexta-feira, Elaine Lessa deixou a cadeira após quase dois anos presa por obstrução de justiça. Ela é condenada a quatro anos de prisão por ter comandado a ação que deu sumiço às armas e a quaisquer outras provas que incriminassem o marido no caso Marielle.

A polícia acredita que a submetralhadora HK-MP5, que teria sido usada no assassinato da vereadora, tenha sido jogada no mar da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. A corporação chegou, também ao irmão de Elaine, Bruno Figueiredo, que teria ajudado a eliminar os indícios da execução junto a Josinaldo Lucas Freitas, o Djaca, e Márcio Gordo.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil