UFC recebe patente de equipamento que amortece impacto de batidas de veículos em postes de energia

Defensa urbana foi produzida com materiais sustentáveis e reduz gravidade de acidentes

Defensa urbana patenteada pela UFC instalada em base de poste de energia
Legenda: Demanda pelo equipamento partiu da Enel Distribuidora
Foto: divulgação

Um equipamento de proteção desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC) foi reconhecido em uma carta patente concedida à instituição. O item se trata de uma defensa urbana, que amortece impacto de batidas de veículos com postes de energia elétrica.

Chamado de "Disposição construtiva introduzida em defensa urbana", o objeto se trata de uma estrutura com camada externa de plástico, preenchida com 50% de poliuretano (material sólido com textura semelhante à espuma) e 50% de raspas de pneu. Os dois materiais são misturados no momento da aplicação.

"Procuramos desenvolver uma nova defensa com menores dimensões, com um design harmônico com a cidade, com materiais sustentáveis e de fácil colocação e substituição, porém garantindo o mesmo nível de proteção da defensa original", explicou o professor Augusto Albuquerque, atual pró-reitor de Relações Internacionais e Desenvolvimento Institucional da UFC e um dos assinantes da patente, cuja titularidade é dividida com a Enel.

O que é o equipamento

Montagem com dois esquemas de projeto de defensa urbana patenteada pela UFC
Legenda: Empresa cearense se interessou em produzir e fornecer equipamento após concessão da patente
Foto: divulgação

A demanda para desenvolver o item partiu da Enel Distribuidora, que já tinha criado uma defensa feita de concreto e areia. A estrutura, contudo, era questionada pelo poder público em razão de fatores estéticos e de acessibilidade, dado que reduzia espaço nas calçadas.

Ao longo do desenvolvimento, o projeto passou por quatro etapas principais. Inicialmente, foram realizadas reuniões para discutir possíveis soluções a partir de requisitos apontados por especialistas, como materiais, design, fabricação de moldes, modelagem computacional, entre outros.

Em seguida, houve ensaios de caracterização de materiais, seguidos por simulações computacionais, as quais buscavam estimar como as defensas se comportariam. Posteriormente, foram feitos ensaios de impacto, com simulações de acidentes no campo de prova da Enel, localizado em Maracanaú, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Resultados da simulação

Nos ensaios, foram considerados um carro de uma tonelada a uma velocidade de 60 quilômetros por hora (km/h), colidindo contra um poste do tipo MT 300. O uso da defensa proporcionou redução média de 30% da energia de impacto da batida.

Nesse cenário, o poste chegou a ser danificado, mas não perdeu seu eixo e seguiu firme no solo. Isso, em caso de colisões, diminui danos aos ocupantes de veículos e à integridade dos postes de energia.

O professor Albuquerque enumera que as menores dimensões e o aspecto estético da defensa são diferenciais do equipamento. Em razão disso, segundo ele, o item pode ser integrado à demanda de uma grande cidade e facilmente colocado e substituído nos postes, o que cria uma vantagem funcional.

Além disso, o equipamento pode funcionar como jardineira ou lixeira — há uma adaptação para que o item contenha recipientes basculantes.

Reconhecimento

Satisfeito pelo reconhecimento do trabalho, Albuquerque ressaltou o teor desafiador do projeto. "Nosso time do DEECC trabalhou em parceria com outras instituições de maneira muito enriquecedora, além de termos desenvolvido um produto que pode salvar vidas, e isso não tem preço", considerou.

A criação foi registrada em 2016, após a UFC protocolar o pedido de patente, e reconhecida em setembro deste ano. Primeira do tipo "Modelo de Utilidade (MU)", a patente é a 19ª da universidade.

Além de Albuquerque, assinaram o projeto os professores Augusto Teixeira de Albuquerque, Tereza Denyse Pereira de Araújo, Antônio Macário Cartaxo de Melo, Alexandre Araújo Bertini, Evandro Parente Junior e Antônio Eduardo Bezerra Cabral, do Departamento de Engenharia Estrutural e Construção Civil (DEECC).

O invento também tem assinatura do professor Alexandre de Barros Teixeira, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e Joaquim Antônio Nogueira Caracas, engenheiro formado na UFC e empresário. 

Acidentes

Apenas em 2020, 1.363 postes de energia elétrica foram danificados no Ceará em consequência de colisões por veículos automotores. Mesmo com a pandemia da Covid-19, o número foi 13% maior ao verificado em 2019, segundo dados da empresa.

A companhia indica ainda que, considerando apenas a Capital e a RMF, a alta foi ainda maior, chegando a 25%, com 795 postes avariados no período.

Após a concessão da patente pelo INPI, o pesquisador revelou que uma empresa do Estado se interessou em produzir e fornecer a defensa a distribuidoras de energia.

Antes de ir, que tal se atualizar com as notícias mais importantes do dia? Acesse o Telegram do DN e acompanhe o que está acontecendo no Brasil e no mundo com apenas um clique: https://t.me/diario_do_nordeste