Ceará pode dobrar potencial de geração com sete novos projetos de energia renovável

Das iniciativas, que conta com energias solar e eólica, 3 já tiveram o licenciamento aprovado pela Semace

energia eólica
Legenda: O setor de energias renováveis foi apontado como tendo um bom potencial de crescimento no momento de recuperação da pandemia, sendo uma opção para investidores
Foto: Kid Júnior

O Ceará está muito perto de dar um salto gigantesco em relação à geração de energias renováveis. Com os projetos recém-aprovados e os que ainda aguardam o licenciamento ambiental da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), o Estado pode mais do que dobrar a potência energética referente às plantas de fontes solares e eólicas, gerando um acréscimo de 3,6 gigawatts (GW) a partir de 7 novas iniciativas.  

Atualmente, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a potência registrada somada no Ceará para as gerações solar, eólica e hidrelétrica é cerca de 3,005 GW.

Caso a Semace aprove os sete projetos, o Estado pode ter a potência elevada em 3,621 GW nos próximos anos, dependendo do período de instalação e início das operações. 

Vale ressaltar, no entanto, que a potência outorgada (valor autorizado para operação da usina) pela Aneel atualmente no Ceará é 5,6 GW. Contudo, por questões técnicas ou de viabilidade, muitas usinas acabam não podendo utilizar a potência total.

 

Projetos aprovados 

Dos sete projetos que deverão passar pela avaliação da Semace, no entanto, três já tiveram aprovação confirmada na última reunião do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Coema) da Semace. 

O Complexo Fênix, interesse da empresa Rio Energy Desenvolvimento de Renováveis, é voltado para a geração eólica e será formado por 12 parques, instalados nos municípios de Amontada e Itapipoca. Ao todo deverão ser usados 83 aerogeradores, cada um com potência de 5,3 MW, totalizando 439,9 MW.

A energia deverá injetada no Sistema Interligado Nacional (SIN). 

Outro projeto aprovado foi o do Complexo Serra Dantas, no município de Jaguaruana, da empresa Dantas Geração de Energia Elétrica SPE. O projeto deverá ter 1,026 mil hectares e uma potência instalada de 410 MW. Ao todo, serão 9 parques compostos por placas solares, cada um deles com potência de 45 MW. 

Outro projeto já aprovado foi o de Quixeré, da Enel Green Power, que deverá contar com cinco parques e totalizar uma potência de 241,48 MW.

Cada unidade terá em torno de 80 hectares e uma potência de cerca de 48 MW. Segundo o projeto, deverão ser gerados 915 empregos, com um período de 12 meses de duração as obras.

Aguardando análise 

A última reunião do Coema ainda deveria votar a aprovação do projeto do Complexo Solar Morada do Sol, em Aquiraz, mas a pauta deverá ser analisada na próxima reunião do Coema, marcada para fevereiro do próximo ano. 

Ao todo, serão 6 parques instalados em 406,91 hectares, totalizando 277,350 MW de potência. 

Contudo, a Semace ainda terá outros 3 projetos para analisar no próximo ano. 

Veja os detalhes: 

Umari

Empresa: Uruquê Energias Renováveis

Projeto: 7 usinas de energia solar (UFV Umari I a VII)

  • UFV Umari I - 137,295 ha e 51 MW
  • UFV Umari II - 118,40 ha e 49,5 MW
  • UFV Umari III - 117,41 ha e 49,5 MW 
  • UFV Umari IV - 158,81 ha e 49,5 MW 
  • UFV Umari V - 121,44 ha e 49,5 MW 
  • UFV Umari VI - 108,78 ha e 49 MW 
  • UFV Umari VII - 147,44 ha e 18 MW
  • Total - 905,605 ha e 316 MW

Municípios de instalação: Umari (86,37%), Icó (4,92%) e Lavras da Mangabeira  (8,75%)

Jaguaretama

Empresa: Uruquê Energias Renováveis

Projeto: 33 usinas solares (UFV Jaguar I a XXXIII)

Potência: 1.584 MW

Espaço físico: 3,924 mil hectares

Viçosa

Empresa: Dwul Capital

Projeto: 4 parques eólicos (84 aerogeradores da multinacional brasileira WEG)

Potência: 352,8 MW