Oito dicas para iniciar uma reeducação alimentar e não desistir

Nutricionista lista pontos fundamentais para ajudar quem quer começar e seguir uma nova rotina alimentar

Prato de salada com azeite
Legenda: Aumentar o consumo de alimentos in natura e minimamente processados é uma das dicas para quem quer mudar a alimentação
Foto: Shutterstock

O desejo para ter uma alimentação mais balanceada, a vontade de ter um corpo mais resistente ou até mesmo emagrecer. Motivos para mudar os hábitos não faltam e aposto que boa parte da população já pensou em fazer uma reeducação alimentar.

Mas por onde começar? Como manter a disciplina e não desistir? As dúvidas são inúmeras, assim como as tentações, no entanto, quem deseja iniciar um processo de reeducação alimentar deve ter em mente que a mudança requer paciência e planejamento

A nutricionista Débora Moura, especialista na área clínica e esportiva, explica que a “reeducação alimentar se relaciona com mudanças de hábitos para um estilo de vida mais saudável. Inclusão de bons hábitos e redução dos considerados ruins, sem seguir um plano específico, pensando-se a longo prazo”. 

A profissional reforça que entender sua história e objetivos são fundamentais para não desistir. Débora lembra que cada indivíduo tem processos, ritmos e resultados diferentes. “Aprenda a não se comparar com os outros. Aproveite o processo de mudança para se conhecer melhor, se amar mais e ser paciente consigo mesmo”.

Para quem quer iniciar o processo, Débora lista 8 dicas fundamentais: 

  1. Aumentar o consumo de alimentos in natura e minimamente processados e reduzir ultraprocessados;
  2. Inserir novas  frutas, verduras e legumes;
  3.  Beber mais água;
  4. Evitar longos períodos de jejum;
  5. Praticar uma atividade física;
  6. Dormir bem;
  7. Planejar refeições e lista de compras;
  8. Separar um dia na semana para se organizar.

Dicas para não desistir 

Para começar uma reeducação alimentar e não desistir no meio do caminho, além de entender que cada um teu seu ritmo, segundo Débora, é importante que se aprenda a reconhecer as pequenas mudanças e não se afastar do objetivo principal, mesmo que deslizes ocorram ao longo do processo. 

“Entender que da mesma forma que levou um certo tempo para chegar onde está hoje, também levará muito tempo chegar onde pretende. Aprender a reconhecer pequenas mudanças, novas atitudes e vitórias. E que sempre existirá altos e baixos durante o processo, o importante é não se afastar do seu objetivo e saber retornar para o planejado mesmo após os deslizes”. 

Desafios para quem quer perder peso

Para quem quer mudar o hábito com o objetivo de perder o peso, Débora também ranqueia o que considera os maiores desafios. 

    • Depositar muita expectativa e ter muita pressa com os resultados;
    • Se importar demais com a balança;
    • Adequar o paladar;
    • Pessoas com quem convive;
    • Fins de semana.

Dieta x reeducação alimentar

A nutricionista diz que existe diferença entre reeducação alimentar e dieta. Esta última, segundo ela, está relacionada com uma prescrição que possui objetivo bem específico, horários definidos e quantidades determinadas. 

“Geralmente [ a dieta] possui início, meio e fim, e sofre alterações a medida que os objetivos são atingidos e surgem novas metas”, detalha.

Definindo objetivos

Ter um objetivo claro durante um processo de reeducação alimentar, conforme a nutricionista, permite entender melhor as metas, onde o paciente está e o que ele precisa fazer para chegar onde deseja.

Definir a meta, “serve para te guiar na realização de algo que deseja e ajuda no planejamento das suas ações”, diz Débora.

Refeições planejadas

Dentre as dicas para inciar a mudança alimentar está o planejamento das refeições. Com isso, de acordo com a profissional, é possível economizar desde tempo no supermercado e no preparo das refeições até na ajuda a seguir o plano alimentar mais corretamente. 

“Planejando as refeições é possível preparar listas de compras, comprar o que será necessário e evitar gastos desnecessários. Economizar tempo no supermercado e no preparo das refeições. Ajuda a seguir a dieta corretamente e evita realizar muitas refeições fora do plano, pois terá em casa somente o que for necessário”.
Débora Moura
Nutricionista

Intervalo entre refeições

Quando se pensa em seguir um plano alimentar, muitos vão lembrar do intervalo entre as refeições. Conforme Débora, não existe uma quantidade de horas padrão, mas sim, deve ser visto de acordo com a rotina de cada pessoa

Ela explica que existem diversas formas de organizar o horário das refeições e não necessariamente isto precisa ser feito a cada três horas. A nutricionista reforça que o ideal é que a pessoa não passe longos períodos em jejum. 

“Quando realizamos poucas refeições, a tendência é compensar na hora de comer, pois a fome aumenta bastante. Quando realizamos intervalos menores, conseguimos chegar nas refeições com menos fome e ingerimos menores quantidades. Além disso, podemos melhorar a qualidade de nutrientes ingeridos, pois serão feitas mais refeições e podem ser incluídos alimentos mais diversificados”, detalha.

Como gastar pouco?

É possível iniciar um novo plano alimentar e não gastar muito. Segundo Débora, a suplementação não é obrigatória e a nova rotina pode conter alimentos mais naturais e poucos industrializados. Para economizar, ela sugere que o indivíduo opte por preparações caseiras e alimentos da safra. 

Ajuda profissional

É possível seguir um plano alimentar, conforme Débora, sem acompanhamento profissional. No entanto, ela destaca que o nutricionista vai facilitar o processo e ajuda a impedir que o paciente cometa erros por falta de informação. 

“Ele vai te ajudar da melhor forma na adoção de hábitos saudáveis, vai te orientar em como realizar substituições simples e eficazes, e vai mostrar o caminho a ser seguido para um estilo de vida equilibrado e sustentável”, diz.

Hidratação e reeducação alimentar

Outro ponto fundamental para quem quer mudar os hábitos é manter uma boa hidratação. A nutricionista afirma que isso ajuda no bom funcionamento das células, lubrificante das cavidades e articulações, manutenção da temperatura corporal, transporte de nutrientes e eliminação de toxinas, permitir fluidez e oxigenação do sangue e ajuda na digestão, absorção e excreção, estimulando trânsito intestinal.