Mundial de Surfe muda formato e tem final nos EUA; Brasil busca títulos no masculino e no feminino

As provas podem ocorrer a partir desta quinta-feira (9), a depender das condições climáticas

Ítalo Ferreira conquistou o primeiro ouro do surfe olímpico
Legenda: No Japão, Ítalo Ferreira conquistou o primeiro ouro da história do surfe nos Jogos Olímpicos
Foto: COB

Das últimas seis edições do Circuito Mundial de Surfe o Brasil conquistou quatro títulos. E o País tem tudo para ganhar o penta no masculino, só não sabe com qual atleta: Gabriel Medina, Italo Ferreira ou Filipe Toledo. No feminino, Tatiana Weston-Webb tenta uma vitória inédita.

A janela de disputa do Rip Curl WSL Finals começa nesta quinta-feira (9) e vai até o dia 17. Os organizadores vão escolher o melhor momento baseado na previsão das ondas para realizar as baterias. O evento terá transmissão ao vivo pelo site oficial WorldSurfLeague.com, além do YouTube e do aplicativo da World Surf League, e os canais da ESPN Brasil.

Novo formato

A decisão do circuito mudou de formato nesta temporada. A última etapa não é mais no Havaí, onde ocorria o Pipe Masters, nem o campeão será decidido nos "pontos corridos". Desta vez, a Liga Mundial de Surfe (WSL) optou por fazer um evento em dia único com os cinco surfistas de cada gênero mais bem colocados no ranking mundial.

O local escolhido foi Trestles, na Califórnia, que possui ondas para os dois lados e possibilita uma variedade de manobras. E o formato também é inédito. O 5º do ranking, o australiano Morgan Cibilic, encara Conner Coffin, dos EUA. Quem passar irá pegar Filipinho, 3º do ranking.

Gabriel Medina comemora com o braço para o alto
Legenda: Gabriel Medina é bicampeão mundial de e está na liderança do Circuito Mundial de Surfe
Foto: WSL

O vencedor do duelo disputa com Italo uma vaga na final. Quem passar pega Medina na decisão em uma melhor de três baterias. Ou seja, a chance de dar um surfista do Brasil no masculino é enorme.

No caso do feminino, a gaúcha Tatiana Weston-Webb tenta a conquista inédita. Na 2ª posição do ranking da categoria, terá de vencer a semifinal, que pode ter como rival Sally Fitzgibbons (AUS), Stephanie Gilmore (AUS) ou a Johanne Defay (FRA) pelo direito de decidir o Mundial contra a havaiana Carissa Moore.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte

Assuntos Relacionados