Fortaleza tem que superar próprias baixas para vencer Flamengo

Time tricolor vai entrar em campo sem o atacante Wellington Paulista, o volante Gabriel Dias e o técnico Rogério Ceni, todos suspensos. Já o time carioca vem para o duelo na Arena Castelão sem cinco peças titulares

Enfrentar o Flamengo talvez seja a missão mais ingrata do futebol brasileiro em 2019. É um elenco estrelado, entrosado e que atua com uma filosofia de jogo extremamente ofensiva. Panorama exposto, a missão do Fortaleza, amanhã, é justamente frear o Rubro-Negro na Arena Castelão, às 20 horas, pela 26ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro.

A principal vantagem tricolor na situação está exposta na iminência da semifinal da Libertadores, diante do Grêmio, desejo máximo dos cariocas. Desta forma, o time do técnico português Jorge Jesus encara o Leão sem os laterais Rafinha (lesão) e Filipe Luís (poupado); os meias Arrascaeta (poupado) e Everton Ribeiro (suspenso); além do atacante Bruno Henrique (suspenso).

Todas baixas titulares e ainda acrescidas dos desgastados Rodrigo Caio e Gabriel Barbosa, que viajaram de Singapura, onde estavam defendendo a Seleção Brasileira, direto para a capital cearense. O cenário não muda, no entanto, o esquema tático 4-2-3-1, com o time sofrendo apenas alterações nas peças, como as entradas de Vitinho e Reinier.

Para a distinção técnica ser explorada com eficácia, o Fortaleza precisa superar as ausências de Gabriel Dias e Wellington Paulista, ambos fora por acúmulo de cartão amarelo. Rogério Ceni, advertido no revés para o Vasco, também acompanha o duelo direto da arquibancada.

As alternativas de reposição precisam mostrar valor, assim como o sistema de quatro atacantes, 4-2-4, que não funcionou na rodada passada. Em São Januário, no Rio de Janeiro, recebendo pressão na saída de bola, o time cearense encerrou a partida com dois chutes a gol, cinco amarelos, 8% de cruzamentos certos e 102 passes a menos que o cruz-maltino e dono da casa.

"Pra mim, os desfalques mais importantes são os do Fortaleza. Estamos preparados para jogar contra o Flamengo. Trataremos como a partida contra a Chapecoense. Não podemos pensar em quantos pontos estamos da zona. Temos que olhar partida por partida", ressaltou Quintero, que retorna ao time.

A postura pouco reativa é receita atestada nas únicas derrotas cariocas no Brasileirão: contra Internacional, Atlético/MG e Bahia. Em todas as ocasiões, o Flamengo teve a posse de bola, adiantou as linhas com, pelo menos, seis atletas no campo de ataque, mas foi surpreendido por uma transição rápida, cedendo a marcação ao contra-ataque adversário. Vale ressaltar que os extremos, desfalques contra o Leão, são importantes para o time envolver os rivais, sempre com pontas cortando para o meio, o que faz a equipe ser a 2ª em viradas de bola (95) e a líder em assistências para finalização (246).

Assim, o Fortaleza ganha com as baixas porque diminuem o ímpeto do último terço do campo - contra o melhor ataque (53) - e atrapalham na construção das jogadas, que irão priorizar o volante Gerson como armador.

Dúvidas

O Fortaleza aguarda atualizações sobre as condições físicas do goleiro Felipe Alves, do zagueiro Jackson e do atacante Romarinho, que podem ser novas baixas. O arqueiro se recupera de lesão e está em transição, enquanto o defensor vai passar por novos exames para atestar o grau da contusão na coxa esquerda. O último segue como dúvida por desconforto muscular.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte