Corpo encontrado em rio é de perito morto por militares da Marinha, reconhecem familiares

O cadáver foi localizado às margens do Rio Guandu, em Japeri, na Baixada Fluminense.

Ponte onde corpo foi encontrado no RJ
Legenda: Corpo foi localizado às margens de rio
Foto: Reprodução TV Globo

Militares do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar encontraram, nesta segunda-feira (16), o corpo do perito da Polícia Civil do Rio de Janeiro Renato Couto, de 41 anos. O cadáver foi localizado às margens do Rio Guandu, em Japeri, na Baixada Fluminense. O corpo de Renato Couto foi reconhecido por parentes logo após ser retirado do local.  

O perito da Polícia Civil foi assassinado por três militares da Marinha, após uma discussão em um ferro-velho na Zona Norte do Rio. Conforme as investigações, a vítima foi colocada dentro de uma van da Marinha e jogada de uma ponte do Arco Metropolitano sobre o Rio Guandu. 

O corpo encontrado nesta manhã está numa das margens, a 500 metros da ponte. Cerca de 30 agentes dos Bombeiros atuaram nas buscas. Uma tatuagem que o policial tem no peito poderá ajudar na identificação.

Perito da Polícia Civil encontrado morto
Legenda: Policial foi assassinato por militares da Marinha após emboscada em um ferro-velho
Foto: Reprodução

Militares presos 

A polícia foi acionada após o perito não chegar ao trabalho, em um plantão do Instituto de Identificação Félix Pacheco, órgão vinculado à Polícia Civil do RJ. 

O primeiro-sargento Bruno Santos de Lima foi preso com o pai, o empresário Lourival Ferreira de Lima, dono do ferro-velho. Além da dupla, também foram capturados por envolvimento no crime os militares do 1º Distrito Naval Manoel Vitor Silva Soares e Daris Fidelis Motta. Eles devem responder por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver do perito.

A Marinha do Brasil informou que tomou conhecimento do ocorrido e que está colaborando com os órgãos responsáveis pela investigação. O órgão também informou que abriu um inquérito policial militar para apurar as circunstâncias da ocorrênciaque os militares.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil