Anac libera realização de delivery por meio de drones no Brasil

A autorização foi dada nesta sexta-feira (21) e empresa que irá operar os drones deve respeitar restrições de segurança, como não sobrevoar pessoas

Legenda: Empresa que poderá operar os drones deverá respeitar restrições de segurança, como não sobrevoar pessoas
Foto: Divulgação / Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC)

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou, nesta sexta-feira (21), entregas comerciais realizadas via drones no Brasil. De objetos a alimentos, os drones de modelo DLV-1 NEO poderão operar comercialmente em um raio de até 3 km, carregando cargas de peso total de 2,5 kg. As informações são do g1.

Com essa permissão, o iFood será a 1° empresa a realizar delivery com drones. A entrega ocorrerá em parceria com a Speedbird Aero, empresa responsável pela operação dos drones em rotas BVLOS, ou seja, que estejam além da linha visual do piloto.

Essa representa a primeira permissão do tipo no país e se restringe ao modelo DLV-1 NEO. Por isso, algumas regras precisarão ser respeitadas, como não sobrevoar as pessoas durante o trajeto, manter distância de potenciais fontes de interferência eletromagnética e observar alturas máximas e mínimas de operação. Além disso, os responsáveis também precisam estar atentos às condições meteorológicas.

TESTES DOS DRONES

A Anac detalhou que o processo de autorização do projeto foi desenvolvido em 8 meses, contando com parceria entre a Speedbird Aero e AL Drones. Também teve suporte das Superintendências de Aeronavegabilidade (Sar) e de Padrões Operacionais (Spo) da Anac.

Foram realizados três ensaios em São José dos Campos (SP) e um em Aracaju (SE) para testar o uso do drone. Na avaliação, foram averiguadas as características técnicas da aeronave e a capacidade operacional.

MARCO HISTÓRICO NA AVIAÇÃO

Para Fernando Martins, head de logística e inovação no iFood, essa “é uma conquista única para o Brasil. Esse é um marco histórico na aviação, mas também no desenvolvimento da sociedade. É o início de uma mudança que agilizará as entregas com o uso de um modal aéreo em parte das rotas”.

Ainda acrescentou que os drones fazem apenas uma parte do trajeto, já que os pedidos são levados até uma área específica e segura para pousos e decolagens de drones e lá, são coletados por um parceiro entregador do iFood que completa a entrega, transportando até as residências dos clientes.

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil

Assuntos Relacionados