Vulcão Cumbre Vieja abre nova boca de erupção e entra em fase mais violenta

No sétimo dia de erupção, o vulcão agora tem quatro fontes de emissão de lava e já provocou a evacuação de 6 mil pessoas

Pessoas são evacuadas de suas casas devido à erupção do vulcão Cumbre Vieja
Legenda: Governo das Ilhas Canárias já contabiliza 6 mil pessoas que precisaram ser evacuadas de suas casas devido à erupção do Cumbre Vieja, 200 só ontem
Foto: Desiree Martin/AFP

Em erupção desde domingo (19), o vulcão Cumbre Vieja, localizado na ilha de La Palma, no arquipélago espanhol das Ilhas Canárias, na costa da África, abriu neste sábado (25) uma nova boca de emissão de lava, a oeste do foco principal de emissão. Agora, são quatro fontes de erupção, com as duas que foram abertas na secta-feira (24) após mais de doze horas de fortes explosões. 

Segundo o jornal La Vanguardia, a nova lava corre mais rápido e paralela ao fluxo principal, e já enterrou diversas casas. Os danos, por enquanto, são apenas materiais. O vulcão entra em uma fase mais violenta

O governo das Ilhas Canárias já contabiliza cerca de 6 mil pessoas evacuadas, 200 só na sexta, e 400 casas destruídas. O aeroporto de La Palma segue sem operações, por conta da nuvem de cinzas que toma o espaço aéreo. Só é possível deixar a ilha de barco. Há duas operações planejadas para domingo (26), com vagas apenas no final da tarde. 

Na sexta, as cinzas cobriram o solo nas áreas próximas à erupção. Os bombeiros estão intervindo para retirar o material dos telhados das casas, já que uma eventual chuva pode causar a queda dos tetos. 

A última erupção do Cumbre Vieja havia acontecido em 1971. O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês) advertiu que o encontro das lavas com o mar pode gerar explosões, ondas de água fervente, ou mesmo nuvens tóxicas. 

Risco de tsunami 

Desde o alerta amarelo emitido antes da erupção, vem sendo levantada a possibilidade de um tsunami com reflexos na costa brasileira, em especial no Nordeste, mas o risco é considerado baixo, de acordo com a Rede Sismográfica Brasileira (RSBR).

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo