Eric Clapton anuncia que não vai fazer shows em locais que exijam vacinação contra Covid

Protesto se deu após decisão do governo britânico, que recomendou exigência de prova de imunização em alguns lugares

Eric Clapton segurando guitarra em show
Legenda: Guitarrista já chegou a lançar música contra o lockdown
Foto: Georg Hochmuth/APA/AFP

O cantor e guitarrista Eric Clapton, 76 anos, anunciou que não fará shows em locais que exijam vacinação do público. A decisão se deu após o primeiro-ministro britânico Boris Johnson indicar que as casas noturnas inglesas e estabelecimentos que recebam grande público exijam, a partir de setembro, prova de vacinação completa contra a Covid-19 a seus clientes. As informações são do jornal Estadão.

"Quero dizer que não me apresentarei em nenhum palco onde haja um público discriminado. A menos que haja providências para que todas as pessoas compareçam, eu me reservo o direito de cancelar o show", escreveu Clapton ao cineasta Robin Monotti por meio do Telegram, segundo a revista Rolling Stone.

Apesar da polêmica, o músico só deve tocar em Londres em maio do ano que vem, conforme a revista Istoé. Além disso, os próximos shows programados pelo artista ocorrem em setembro nos Estados Unidos.

Reações à vacina

Essa não foi a primeira reação negativa do artista em relação à pandemia. Em novembro, ele lançou, ao lado de Van Morrison, a música "Stand and Deliver" como protesto contra o isolamento social contra o coronavírus. A dupla temia que o mercado musical sofresse reações negativas com a ausência de público.

Vacinado contra a Covid-19 em maio, Eric Clapton comentou ter sofrido efeitos adversos do imunizante da AstraZeneca. "Tomei a primeira injeção da AZ e imediatamente tive reações graves durante dez dias", escreveu a um amigo, dizendo que tomou a segunda dose seis semanas depois, mas com mais conhecimento das reações.

"Mesmo assim, as reações foram desastrosas, minhas mãos e pés estavam congelados, dormentes ou queimando e praticamente inúteis por duas semanas. Temi nunca mais tocar", afirmou o artista. "Eu sofro de neuropatia periférica e nunca deveria ter chegado perto da agulha, mas a propaganda dizia que a vacina era segura para todos".

Devido aos comentários de Clapton questionando a vacinação, outros artistas o isolaram no mundo da música, conforme ele mesmo reconheceu a um canal no YouTube em junho. "Tentei entrar em contato com colegas músicos, que não me respondem mais. Meu telefone já não toca mais com frequência. Não recebo mais mensagens e e-mails", revelou.

Negacionismo

Eric Clapton, além de reclamar das reações das vacinas, questionou a eficácia delas após se recuperar dos efeitos adversos. Segundo a revista Quem, o artista chegou a insinuar, sem comprovações científicas, que o imunizante poderia causar a infertilidade da população.

"Meu medo da vacinação é o que isso fará com minhas crianças. Parte do motivo, talvez a maior razão pela qual estou falando aqui com você, é para dizer para minhas filhas sobre como elas talvez não possam ter filhos um dia, elas provavelmente não se importam a essa altura da vida", disse ele à Oracle Films. No entanto, especialistas já confirmaram não haver evidências entre a vacina contra o coronavírus e infertilidade.

Racismo

A música "Stand And Deliver", na época do lançamento, gerou polêmica não só por protestar contra o isolamento social — a canção reviveu histórico de declarações racistas de Eric Clapton, feitas na década de 1970.

À época, de acordo com a revista Veja, o artista chegou a entoar discursos supremacistas. A atriz Jameela Jamil, famosa pelo ativismo em causas sociais, compartilhou um discurso de Clapton de 1976 no Twitter. No texto reproduzido pela atriz — que tem ascendência indiana e paquistanesa —, o guitarrista pediu que os "estrangeiros" da plateia saíssem do show e também do país.

“Vamos impedir o Reino Unido de virar uma colônia negra. Expulsem os estrangeiros, mantenham a Inglaterra branca. Os negros, árabes e jamaicanos não pertencem a este país e nós não os queremos aqui [...] Precisamos deixar claro que eles não são bem-vindos. A Inglaterra é um país para brancos, o que está acontecendo conosco?", declarou Clapton na ocasião.

O discurso racista, que mencionara, também, árabes e jamaicanos, inspirou o movimento "Rock Against Racism" (Rock Contra o Racismo, do inglês). Ainda conforme a Veja, o cantor comentou as declarações no documentário "Life in 12 Bars", afirmando ser uma "pessoa nojenta" influenciada pela "Invasão Árabe". "Havia essa atmosfera nos anos 70. Eu não estou arranjando desculpas, era algo horrível", comentou.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo