Cid diz que apoio de Sarto a Roberto Cláudio é "natural", mas ressalta peso de Camilo na decisão

PDT tem quatro pré-candidatos à sucessão de Camilo, mas cresce disputa entre o ex-prefeito e a vice-governadora, Izolda Cela

Roberto Cláudio, Cid e Domingos Filho
Legenda: Roberto Cláudio, Cid Gomes e Domingos Filho, presidente do PSD no Ceará, durante evento na AL-CE
Foto: Felipe Azevedo

O senador Cid Gomes (PDT) disse que vê "com muita naturalidade" a manifestação pública de apoio do prefeito José Sarto (PDT) ao ex-prefeito Roberto Cláudio como candidato do PDT ao Governo do Estado. Ele também ressaltou que a liderança do governador Camilo Santana (PT) será decisiva na definição do candidato ao Governo na chapa governista. Cid participou nesta sexta-feira (4) do encontro regional do PSD na Assembleia Legislativa. 

"Vejo com muita naturalidade. Na política, a gente tem relações pessoais, simpatias pessoais, mas, no fundo e no final das contas, o que deve decidir é um entendimento a partir da avaliação política do cenário e de possibilidade de aliança", ressaltou Cid. 

O líder do PDT destacou a relação pessoal e política entre Sarto e Roberto Cláudio, especialmente nas eleições de 2020. O movimento, no entanto, acontece em um cenário no qual a vice-governadora, Izolda Cela, ganha força como possível candidata, às vésperas de assumir o Governo, com a saída de Camilo para disputar o Senado.

Liderança de Camilo

Ao ser questionado sobre uma disputa mais direta entre Izolda e Roberto Cláudio, Cid lembrou que há mais dois nomes na disputa, o do presidente da AL-CE, Evandro Leitão, e o do deputado federal Mauro filho. Além disso, ressaltou a liderança do governador nas discussões.

"Isso não se trata de disputas pessoais nem de projetos pessoais. Temos um partido num contexto de uma aliança política no Ceará. A manutenção dessa aliança e a liderança do governador Camilo serão decisivos para a definição na hora certa de quem será o candidato", disse Cid.

Ainda na quinta-feira, após a declaração de Sarto, o governador Camilo Santana disse que o discurso foi uma "posição pessoal" e que o nome sairá no "momento certo".

Com informações do repórter Felipe Azevedo.