Reações contra Cléber, do Ceará, são compreensíveis, mas ultrapassam limite da crítica

Insatisfação contra o jogador já chega ao pessoal e compromete qualquer chance de redenção

Torcedores ironizando o jogador Cléber
Legenda: Cléber foi alvo de críticas mais pesadas do torcedor
Foto: Kid Júnior/SVM

Assisti com certa perplexidade a reação de parte da torcida do Ceará após o jogador Cléber, atacante escalado na vitória contra o Tombense, ter sido alvo de pedidos irônicos de substituição após cair no gramado.

Torcedores pediram a saída do jogador sem saber se ele teria se machucado gravemente ou se era algo simples. Protestaram naquele momento pela produção ruim dele. Acharam essa forma de expor insatisfação.

>Torcida do Ceará protesta na Arena Castelão

Respeito quem achou a cena bem-humorada, é uma forma de ver. Mas não foi esse sentimento que bateu em mim. Me senti solidário ao atacante por motivos variados que posso elencar aqui.

Cléber vem abaixo do que o torcedor deseja, isso é fato. Mas ele, definitivamente, não é único, algo que também é unânime no time, até para a posição de centro-avante.

O que não consigo entender é por qual motivo a queixa sobre Cléber é fora do tom com relação aos demais? Por qual motivo ela parece ultrapassar a questão do campo e entrar na esfera pessoal? Ele é o único que vem jogando mal?

>Dorival Júnior cobra apoio da torcida do Ceará após protestos

Aí vou ao ponto do título deste texto. Qual o limite da crítica e da desumanidade? Criticar jogadores após uma atuação ruim, por não aparentar estar se dedicando aos treinos é aceitável.

Mas mergulhar um atleta em desgraça sem ele sequer entrar em campo, só pelo fato dele estar ali, me parece desumano.

Cléber comemora gol pelo Ceará com as mãos para o alto e sem camisa
Legenda: Cléber marcou um dos gols da vitória do Ceará contra a Tuna Luso-PA pela Copa do Brasil
Foto: Thiago Gadelha / SVM

As informações que tenho é que Cléber é dedicado aos treinos, está em plena forma e está tentando dia após dia voltar aos bons momentos de início do Ceará, quando fez gol em final de Copa do Nordeste e outros importantes na Série A 2020, como em dois Clássicos-Reis. Não está jogando bem? Não está, mas está canalizando todas as frustrações do torcedor por outras situações do clube.

Do jeito que está, não há ambiente para que o atleta sequer obtenha a chance de uma redenção. Começa o jogo perseguido. Quem conseguiria trabalhar assim? 

A revolta do torcedor com inúmeras situações do clube considero até justas, mas esse ponto específico me parece fora de tom.