Choro de Vojvoda, volta olímpica de Boeck e festa da torcida com Depietri: os bastidores do Castelão

O Fortaleza venceu o Juventude nesta sexta-feira (3) e se classificou para a Libertadores

Vojvoda e Marcelo Paz comemoram muito à beira do gramado
Legenda: O técnico Vojvoda e o presidente Marcelo Paz comemoram muito a classificação do Fortaleza para a Libertadores
Foto: Kid Júnior / SVM

A Arena Castelão vibrou em festa. Por todos os lados, um mar de gente. Era o despertar de um sonho, de uma multidão de 45.398 torcedores que vai demorar para entender, mas não parou de comemorar nesta sexta-feira (3): o Fortaleza Esporte Clube está na Taça Libertadores da América. É tudo real.

Mas há como explicar? O que faz um time deixar a Série C em 2017 e avançar rumo ao maior torneio de clubes da América? No Fortaleza, a história foi escrita ao vivo. Na epopéia do destino, um time movido a trabalho e objetivos. O grito da arquibancada foi de mais de 100 anos.

Caminho do Fortaleza nos últimos anos:

  • 2017: Acesso à Série B.
  • 2018: Título da Série B.
  • 2019: Título do Campeonato Cearense, da Copa do Nordeste e vaga na Sul-Americana (via Série A). 
  • 2020: Título do Campeonato Cearense e permanência na Série A.
  • 2021: Título do Campeonato Cearense, semifinal da Copa do Brasil e vaga na Libertadores (via Série A).

 

Em campo, o choro tomou conta do elenco, da comissão técnica e da diretoria. O técnico argentino Juan Pablo Vojvoda foi preenchido pela emoção e esbravejou ao ar, ergueu os braços e recebeu os cumprimentos do grupo de jogadores. Na Arena Castelão, a torcida assistiu tudo em êxtase.

Sensação que contagiou um por um. Aos remanescentes da Série C, a glória eterna alcançada em uma noite que consolida os últimos cinco de vivência de um clube histórico. Boeck, aos prantos, deu uma volta olímpica e saudou a torcida. Com o punho erguido, as memórias de uma batalha. 

“Começou em um jogo de sete anos para hoje ser o jogo que liberta”, falou o ídolo tricolor.

Dos participantes da festa, o privilégio de um torcedor no gramado: Marcelo Paz. Não tinha como resistir, a história do clube é a dele também. E apaixonado pelo Fortaleza, assistiu o time ir da Série C à Libertadores, com diversos feitos pelo caminho. Assim, se deleitou e vibrou com todos que fazem e são Fortaleza, como Alex Santiago, Daniel de Paula e Papellin - membros da diretoria.

O gol de Depietri

“Libertadooooooores, Libertadooooores”. Os cânticos surgiam de todos os setores. “Prazer, Libertadores, soy Fortaleza”, dizia o cartaz de um torcedor, depois cedido a Ronald. E a vaga foi através do um gol no Juventude com um herói inusitado, o argentino Depietri. A torcida explodiu.

Depois disso, nada mais importava. Vojvoda, em desespero, pediu o final do jogo à beira do campo. Da aflição geral, as palmas consecutivas de apoio. No grilar do apito, a certeza de que o Castelão era vermelho, azul e branco. Era a vitória de um time que não esqueceu o passado para pavimentar o futuro e chegou pela 1ª vez onde nenhum outro cearense tinha pensado em estar.