Suspeito de matar estudante de medicina cearense deve ser transferido para penitenciária

Johannes Dudeck deve ser encaminhado da carceragem da Central da Polícia Civil de João Pessoa para uma unidade prisional

Maria Thomaz de Oliveira usando roupa de uso hospitalar
Legenda: Estudante estaria no sexto semestre do curso de Medicina
Foto: reprodução

O suspeito do assassinato da estudante cearense de Medicina, Mariana Tomaz de Oliveira, deve ser transferido para a Penitenciária de Segurança Média Juiz Hitler Cantalice, em João Pessoa, Paraíba. A jovem foi encontrada morta em um apartamento, nesse sábado (12), na capital nordestina.

A advogada que representa a defesa da vítima, Dayane Carvalho, informou, ao portal G1, que a audiência de custódia de Johannes Dudeck foi realizada neste domingo (13). Na ocasião, ficou decidido que ele deve ser encaminhado para a unidade prisional. Ele possui nível superior.

Apontado como principal suspeito do caso, o homem foi preso preventivamente e está na carceragem da Central da Polícia Civil de João Pessoa. Segundo alguns amigos da vítima relataram à família dela, ele chegou a sair com a universitária algumas vezes, mas eles não estavam em um relacionamento sério. 

"Os colegas dela falaram que eles estavam apenas se conhecendo. Talvez dois, ou três encontros, mas nada oficial", disse o irmão de Mariana, Gustavo Tomaz de Oliveira, ao Diário do Nordeste.  

Sinais de estrangulamento

Mariana Tomaz foi encontrada sem vida, no sábado, em um imóvel na orla do Cabo Branco, em João Pessoa, após a Polícia receber uma ligação do parceiro dela. Nela, ele informou que a jovem estava sofrendo convulsões. As informações são do portal G1

Após chegar ao local, a perícia observou sinais de esganadura e, posteriormente, confirmou que as marcas foram causadas por estrangulamento. Em seguida, Johannes Dudeck foi detido preventivamente. 

O resultado do laudo pericial da morte da estudante ainda não foi divulgado, mas, segundo Dayane Carvalho, o atestado de óbito apontou que a morte foi causada por asfixia mecânica por esganadura. Ainda conforme o G1, os peritos responsáveis pela análise devem realizar exames específicos para obter mais informações sobre o crime, que segue sendo investigado pela Delegacia de Homicídios de João Pessoa.

Conforme a Polícia informou ao portal G1, o suspeito possui três acusações por infringir a Lei Maria da Penha — ele é apontado por três mulheres diferentes como autor de agressões. "Sinceramente, fiquei com medo quando vi a ficha [criminal] dele, inclusive com histórico de agressão domiciliar e ocorrências de outras naturezas", relatou Gustavo. 

'Só quero justiça', diz irmão de vítima  

O corpo da estudante cearense de Medicina, Mariana Tomaz de Oliveira, de 25 anos, é enterrado, no fim da tarde deste domingo (13), em Lavras da Mangabeira, onde vive a família da jovem. 

Pelas ruas do município do Interior do Ceará dezenas de pessoas se juntaram aos amigos e familiares para prestarem as últimas homenagens à universitária. 

"Só quero justiça, mesmo que ela não traga a vida da minha irmã de volta. Ela era o meu tesouro e da minha família, a alegria da minha casa. E, agora, essa alegria, por mais que Deus dê a conformação e a gente supere, não vai ser reposta. Então, rogo por justiça", lamenta o irmão da vítima, Gustavo Tomaz de Oliveira.

O corpo foi velado na casa dos parentes e, em seguida, seguiu em cortejo até a Igreja Matriz de São Vicente Férrer. A previsão é que ele seja sepultado no cemitério local. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil