Morre mulher trans que teve o corpo queimado por adolescente em Recife

Roberta da Silva tinha 33 anos

Fachada do hospital da Restauração
Legenda: A vítima estava internada na enfermaria para queimados no Hospital da Restauração
Foto: Reprodução/TV Globo

A mulher trans que teve 40% do corpo queimado em um ataque morreu nesta sexta-feira (9), no Hospital da Restauração (HR), em Recife. Roberta da Silva, de 33 anos, teve falência respiratória e renal. As informações são do G1.

Ela foi vítima de tentativa de homicídio por parte de um adolescente no último 24 de junho e estava internada deste então. Nas últimas horas, o quadro havia se agravado.

A equipe médica da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) chegou a realizar hemodiálise, mas ela não reagiu e morreu às 9 horas de hoje. 

Dois dias após ser internada, ela teve o braço esquerdo amputado devido à gravidade dos ferimentos. Já no dia 30 de junho, ela passou por nova cirurgia, dessa vez para amputar parte do braço direito.

COMO O CRIME OCORREU

Roberta foi queimada por um adolescente no Cais de Santa Rita, na área central de Recife, perto de um terminal de ônibus. O suspeito está em um centro de internação para infratores em razão de crime análogo a tentativa de homicídio.

A vítima, que vive em situação de rua, estava com o adolescente em um barraco de lona, segundo testemunhas ouvidas pelos policiais militares acionados para ocorrência. Ela foi atingida por álcool e teve o corpo queimado.

Conforme Barreto, a vítima relatou ter sido queimada enquanto estava dormindo. Ainda de acordo com o médico, Roberta teve comprometimento na cabeça, queimaduras de 3º grau nos dois braços e lesões em outras partes do corpo, como tronco e perna esquerda. 

A codeputada Robeyoncé Lima, do mandato coletivo Juntas (PSOL), foi até o HR para conversar com a vítima. Após a visita, a parlamentar comunicou que Roberta acredita ter sido vítima de LGBTfobia.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil