Mãe de Henry Borel, Monique Medeiros teria sido agredida e enforcada por Dr. Jairinho, revela defesa

Os representantes legais da professora afirmaram que ela tem medo do companheiro, por isso não teria contato a verdade antes

Monique Medeiros durante entrevista ao Fantástico
Legenda: A equipe de advogados solicitou que Monique Medeiros possa prestar novo depoimento à Polícia
Foto: reprodução

A defesa de Monique Medeiros solicitou novo depoimento junto à Polícia Civil e mudou a versão dos fatos apresentados por ela sobre o envolvimento na morte do filho Henry Borel. Agora, a professora afirma que ela vivia uma rotina de agressões e já chegou a ser enforcada pelo companheiro, o médico e vereador carioca Jairo Souza Santos Junior, o Dr. Jairinho (sem partido). 

Os novos representantes legais da mãe do menino, Thiago Minagé, Hugo Novais e Thaise Mattar Assad dizem que, com a prisão temporária do político, Monique agora se sente segura para falar a verdade sobre a relação do casal. As informações são do O Globo

"Tanto a babá, quanto a ex-namorada afirmaram ter medo dele (Jairinho). Será que a única pessoa que não teve o depoimento influenciado por Jairinho foi Monique? É uma questão de raciocínio", argumentou ao jornal o advogado Hugo Novais. 

Na petição enviada pela equipe de juristas ao procurador-geral de Justiça, solicita a designação de um “promotor especial para acompanhar o inquérito”.

Primeira versão 

No depoimento apresentada ao delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP, em 18 de março, Monique disse ter dado banho em Henry, por volta de 20h do dia 7 de março, e depois o colocado para dormir na cama do quarto em que dividia com o companheiro. Ela e Jairinho teriam ficado na sala, assistindo televisão. 

Segundo o relato da professora aos investigadores, Henry levantou três vezes até 1h50, sendo levado de volta ao cômodo. Com objetivo de não incomodar o sono do filho, o casal teria ido para o quarto de hóspedes para continuar a assistir série. Logo depois, Jairinho teria adormecido. 

Por volta de 3h30, Monique disse ter levantado e chamado o político, que foi ao banheiro. Ao voltar para o quarto em que estava Henry, ela diz ter encontrado o menino caído no chão, com olhos revirados, mãos e pés gelados, e sem responder. 

Ela relata ter gritado por Jairinho, que foi imediatamente ao cômodo. Eles teriam se arrumado rapidamente e se dirigido para o Hospital Barra D’Or, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. No caminho, a professora diz ter feito uma respiração boca a boca na criança, depois de orientação do parlamentar.

Ao chegar na unidade de saúde, ela contou ter gritado pedindo ajuda, tendo recebido atendimento de várias pessoas imediatamente. 

O laudo hospitalar sobre o corpo de Henry concluiu que a criança apresentava as seguintes condições:  

  • múltiplos hematomas no abdômen e nos membros superiores; 
  • infiltração hemorrágica na região frontal do crânio, na região parietal direita e occipital, ou seja, na parte da frente, lateral e posterior da cabeça; 
  • edemas no encéfalo; 
  • grande quantidade de sangue no abdome; 
  • contusão no rim à direita; 
  • trauma com contusão pulmonar; 
  • laceração hepática (no fígado); 
  • e hemorragia retroperitoneal.

Sobre as lesões, Monique afirmou à Polícia que acredita que ele possa ter acordado, ficado em pé sobre a cama, se desequilibrado ou até tropeçado no encosto da poltrona e caído no chão.

Morte de Henry 

Henry Borel morreu na madrugada de 8 de março, no apartamento em que vivia com Monique e Dr. Jairinho, na Barra da Tijuca. Segundo as investigações, ele era agredido pelo vereador com bandas, chutes e pancadas na cabeça. Monique tinha conhecimento da violência desde o dia 12 de fevereiro, pelo menos. 

Henry Borel
Legenda: Dr. Jairinho é suspeito de espancar a criança de 4 anos
Foto: reprodução

Henry foi levado pela mãe e pelo padrasto ao hospital Barra D'Or na madrugada de 8 de março e já chegou à unidade sem vida.

Os investigadores afirmam que Henry foi assassinado com emprego de tortura e sem chance de defesa. O inquérito aponta que a criança chegou à casa da mãe por volta de 19h20 de 7 de março, um domingo, após passar o fim de semana com o pai. 

O casal foi preso no dia 8 de abril por suspeita de atrapalhar as investigações e ameaçar testemunhas.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil