Laudo pericial não identifica provas de que PC Siqueira cometeu crimes de pedofilia

O youtuber é investigado por pedofilia desde o ano passado, após denúncias de um perfil no Twitter

PC Siqueira de óculos e cabelo rosa
Legenda: Peritos informam que PC Siqueira não manteve conversas com ninguém sobre a temática e nem realizou buscas em sites de pesquisa sobre o assunto
Foto: Reprodução/Instagram

Laudo pericial da Polícia de São Paulo concluiu que não há provas de que o youtuber PC Siqueira tenha armazenado ou compartilhado conteúdo pornográfico de menores de idade. Ele é investigado por pedofilia desde junho de 2020 e teve seus dispositivos eletrônicos apreendidos durante as apurações do caso.

Relatório da Superintendência da Polícia Técnico-Científica (SPTC) da Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo não encontrou provas no computador, HD externo, celular e até videogame do youtuber.  Peritos ainda informam no documento que PC Siqueira não manteve conversas com ninguém sobre a temática e nem realizou buscas em sites de pesquisa sobre o assunto.

Apenas um documento encontrado no computador dele fala sobre pedofilia, mas segundo o Instituto de Criminalística, não é de cunho criminoso. Entre 2008 e 2011, PC, teve conversas com uma menina identificada como Vanessa pelo aplicativo QQ. Ela disse que possuía uma carteira estampada com desenhos de animais e mostrou ao youtuber uma cópia de seu RG. PC brincou: "Na verdade, eu sou pedófilo". 

 Em uma segunda conversa identificada pela perícia, PC mostrou seu quarto usando a webcam e Vanessa comentou sobre os brinquedos que viu no local. Ele respondeu dizendo que o objetivo era atrair menores de idade. Em ambos os casos, não há um contexto jocoso. Mesmo com o resultado da busca pericial, a investigação ainda não foi concluída.

Denúncias

As acusações de pedofilia envolvendo PC Siqueira iniciaram após o perfil de Twitter "ExposedEmo1" publicar um vídeo que mostra suposta conversa no Instagram em que o youtuber se referiria a uma criança de seis anos em contexto sexual.

PC chegou a postar um comunicado alegando que "jamais cometeu ou cometeria" o crime. A postagem foi deletada posteriormente. Na mesma semana, a Polícia Civil do Estado de São Paulo passou a investigá-lo.

O youtuber afirmou que o objetivo da acusação contra ele é atingir sua credibilidade, e atribuiu o ataque ao seu posicionamento político, "mas nunca imaginei que seria atingido por algo tão baixo".

Ele também falou sobre a repercussão após a divulgação. "Recebi uma série de mensagens, acusações, xingamentos, minha família foi atingida, meu psicológico enormemente abalado."

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil