Hackers atacam sistema interno do Tesouro Nacional

Suspeitos usaram um vírus do tipo "ransomware", que bloqueia informações do sistema

ataque hacker no tesouro nacional
Legenda: Ministério disse que a ação não gerou danos aos sistemas estruturantes
Foto: Shutterstock

O Ministério da Economia informou que o sistema interno do Tesouro Nacional sofreu um ataque hacker na noite da última sexta-feira (13). O crime cibernético usou um vírus que impede o acesso às informações armazenadas em um dispositivo. A Polícia Federal já foi acionada para investigar o caso. 

Segundo a Pasta, a invasão foi do tipo "ransomware". Nessa modalidade de ação, dados da instituição atacada são coletados e pode haver bloqueio do sistema. Em seguida, os criminosos fazem cobrança de uma espécie de resgate, com pedido de pagamento que pode ser em moedas digitais.

O ministério não informou se nesse caso específico houve captura de dados ou pedido de pagamentos.
A pasta disse que os efeitos da ação estão sendo avaliados, inicialmente, pelos especialistas em segurança do Tesouro e da Secretaria de Governo Digital.

"Nesta primeira etapa, avaliou-se que a ação não gerou danos aos sistemas estruturantes da Secretaria do Tesouro Nacional, como o Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi) e os relacionados à Dívida Pública. As medidas saneadoras estão sendo tomadas", disse.

Sigilo

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, o trabalho remoto durante a pandemia e a valorização de criptomoedas turbinaram o sequestro de informações sigilosas de companhias e organizações públicas, elevando o chamado ransomware ao posto de ataque mais lucrativo do cibercrime.

Neste ano, gigantes como JBS e Colonial Pipeline, a maior rede de oleoduto dos Estados Unidos, foram alvo desse tipo de ação, que consiste em invadir redes corporativas, copiar ou criptografar dados pessoais de funcionários e clientes e pedir um pagamento milionário em bitcoin para não vazá-los na internet.

Como o resgate é feito em moedas não rastreáveis, é difícil precisar quanto essa atividade ilegal movimenta por ano. A estimativa para 2020 supera US$ 350 milhões (R$ 1,77 bilhão), de acordo com a Chainalysis, empresa especializada na análise de transações em blockchain, a rede que opera o bitcoin.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil