Estudo estima aumento de 53% em 15 dias na proporção da população com anticorpos para a Covid-19

Segunda fase da pesquisa feita pela Ufpel realizou mais de 30 mil testes em todo o País; dado evidencia velocidade de contágio da doença no Brasil

Legenda: Mais de 30 mil pessoas em todo o País foram testadas e entrevistadas para o estudo
Foto: AFP

A segunda fase de um estudo realizado pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) e divulgado nessa quinta-feira (11) aponta um aumento de 53% na proporção da população com anticorpos para o novo coronavírus em todo o País em 15 dias.

A equipe de pesquisadores considerou as 83 cidades que registraram pelo menos 200 testes e entrevistas nas duas fases da pesquisa para fazer o cálculo. No primeiro momento da Epicovid19, a proporção encontrada foi de 1,7%, já no segundo, foi de 2,6%. Esses valores podem variar de de 1,5% a 1,8% na fase 1 e de 2,4% a 2,8% na fase 2 pela margem de erro. 

Para a segunda fase, foram realizados 31.165 testes e entrevistas no período de 4 a 7 de junho em 133 municípios do Brasil. Na primeira, que foi realizada de 14 a 21 de maio, 25.025 testes e entrevistas foram feitos. 

Em 120 cidades participantes da pesquisa, pelo menos 200 pessoas, selecionadas por sorteio, foram testadas. De acordo com informações do Portal G1, esse aumento de 53% representa preocupação para os pesquisadores por evidenciar a velocidade de contágio da doença. 

"Se fosse uma corrida de Fórmula 1, infelizmente, o Brasil é, de todo o autódromo, o carro que está acelerando com maior velocidade nessa expansão do novo coronavírus", disse o coordenador-geral do estudo e reitor da Ufpel, Pedro Hallal. 

A pesquisa trouxe ainda uma nova informação: estima-se que o número de casos da Covid-19 seja seis vezes maior do que o dado oficial dessas cidades. Na primeira fase, a pesquisa apontou que no Brasil o número seria sete vezes maior. 

Apontamentos

A Epicovid19 demonstrou também que há uma disparidade entre os números da pesquisa e os dados oficiais. De acordo com o estudo, 1,9 milhão de pessoas estão ou já estiveram infectadas nas 120 cidades (total de 68,6 milhões de habitantes). O número nessas cidades fica entre 1,7 a 2,1 milhões de pessoas pela margem de erro. 

Entretanto, em 3 junho, um dia antes do início da pesquisa, foram contabilizados 296.305 casos confirmados ao todo nessas 120 cidades. 

Outro apontamento da pesquisa revela que as cidades das regiões Norte e Nordeste são as que mais possuem pessoas com anticorpos do vírus. Boa Vista (RR) lidera o ranking e estima-se que uma a cada quatro pessoas da cidade estão ou já estiveram infectadas. 

Cidades como São Paulo (SP) e Rio Branco (AC) apresentaram taxas menores na segunda fase em relação à primeira. Para Hallal, essa diminuição demonstra que não há um "aumento descontrolado da doença" nesses locais, bem como uma resposta do isolamento social ou o início da queda da curva de casos. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil