Com Covid-19, mãe de Henry Borel apresenta comprometimento do pulmão

Monique Medeiros está isolada no Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho, no Complexo Penitenciário de Gericinó

Monique Medeiros sendo presa em abril de 2021
Legenda: Quanfo foi presa, em 8 de abril, ela passou por uma quarentena de 14 dias antes de passar a conviver com outras detentas
Foto: Agência Brasil

Diagnosticada com Covid-19 na segunda-feira (19), a professora Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, apresenta comprometimento de parte do pulmão. Conforme o laudo da tomografia realizada no Hospital Municipal Albert Schweitzer, no Rio de Janeiro, 5% dos pulmões dela estão afetados pela doença. As informações são do jornal O Globo. 

Atualmente, Monique está isolada no Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste do Rio. Apesar da evolução no quadro da infecção, a professora passa bem, informou a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). 

"A interna Monique Medeiros foi encaminhada, nessa terça-feira ao Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, por recomendação médica, para a realização de exame de tomografia, após diagnóstico positivo para Covid-19. A mesma passa bem e já retornou ao Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho, no Complexo de Gericinó, onde continuará isolada e recebendo o acompanhamento médico devido", afirma a nota da Seap.

A professora foi presa no último dia 8 de abril com o companheiro, o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), suspeitos de atrapalharem as investigações sobre a morte de Henry e ameaçar testemunhas. Os dois tiveram que cumprir quarentena de 14 dias antes de terem contato com os outros detentos, para evitar a proliferação do novo coronavírus nos presídios. 

A Polícia Civil do Rio deverá concluir o inquérito da morte de Henry ainda esta semana. A confirmação foi feita pelo delegado Antenor Lopes Martins Júnior na terça-feira (20).

MORTE DE HENRY 

Henry Borel morreu na madrugada de 8 de março, no apartamento em que vivia com Monique e Dr. Jairinho, na Barra da Tijuca. Segundo as investigações, ele era agredido pelo vereador com bandas, chutes e pancadas na cabeça. Monique tinha conhecimento da violência desde o dia 12 de fevereiro, pelo menos. 

Henry Borel morreu na madrugada do dia 8 de março
Legenda: Henry Borel morreu na madrugada do dia 8 de março
Foto: Reprodução

Henry foi levado pela mãe e pelo padrasto ao hospital Barra D'Or na madrugada de 8 de março e já chegou à unidade sem vida.

O laudo hospitalar sobre o corpo de Henry concluiu que a criança apresentava as seguintes condições:  

  • múltiplos hematomas no abdômen e nos membros superiores; 
  • infiltração hemorrágica na região frontal do crânio, na região parietal direita e occipital, ou seja, na parte da frente, lateral e posterior da cabeça; 
  • edemas no encéfalo; 
  • grande quantidade de sangue no abdome; 
  • contusão no rim à direita; 
  • trauma com contusão pulmonar; 
  • laceração hepática (no fígado); 
  • e hemorragia retroperitoneal.

Os investigadores afirmam que Henry foi assassinado com emprego de tortura e sem chance de defesa. O inquérito aponta que a criança chegou à casa da mãe por volta de 19h20 de 7 de março, um domingo, após passar o fim de semana com o pai. O casal foi preso no dia 8 de abril.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil