Descoberta na Amazônia: pesquisadores encontram fungo que brilha no escuro

Pesquisadora estava de passagem quando indígena apresentou a nova espécia

Fungos vistos em luz norturna
Legenda: A nova espécie foi batizada de Mycena cristinae
Foto: Revista Mycoscience

A pesquisadora Noemia Ishikawa identificou, pela primeira vez, um fungo bioluminescentes — que brilha no escuro, em 2017, em São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas. As informações são do G1

Ela estava de passagem quando foi apresentada por um indígena que conhecia o fenômeno como “Brilhos da Floresta”.

A comunidade se guiava pelos fungos para trilha. No entanto, não era possível vê-los em noites com forte luz da lua e muito menos com luzes da cidade.

Neste ano, foi catalogada a segunda espécie deste fungo luminoso. Até 2018,  Amazônia tinha somente um registrado. 

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) analisou as informações por três anos.  O resultado da pesquisa foi publicado na última semana na revista cientifica Mycoscience, da Agência de Ciência e Tecnologia do Japão.

A nova espécie foi batizada de Mycena cristinae em homenagem à professora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Cristina Maki. Ela integrava o grupo de pesquisa, mas morreu antes da conclusão. 

 

Pesquisa 

 

Segundo a pesquisadora Noemia Ishikawa, uma das formas de comprovar que um fungo é bioluminescente é através da fotografia. Isso porque há sensibilidade da luz emitida pela espécie.

"Nesse caso, para confirmar se realmente era uma nova espécie nós estudamos a descrição da morfologia, da parte microscópica, as células, que são utilizadas para a identificação da espécie, além de fazer a sequência de DNA e nós constatamos que esse era um tipo diferente de fungo bioluminescente", explicou, conforme o G1
 

Telegram
 

Antes de ir, que tal se atualizar com as notícias mais importantes do dia? Acesse o Telegram do DN e acompanhe o que está acontecendo no Brasil e no mundo com apenas um clique: https://t.me/diario_do_nordeste