"Nossa aliança aqui é firme e sólida", diz Camilo Santana sobre PT e PDT às vésperas de 2022

Governador acredita que as divergências entre Dilma e Ciro não devem impactar na aliança local

Legenda: Camilo em reunião com o senador Cid Gomes e o ex-ministro Ciro Gomes
Foto: Reprodução

Em meio às repercussões locais do bate-boca virtual entre a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) — e que tem colocado em risco a aliança dos dois partidos na eleição do ano que vem — o governador Camilo Santana (PT) se mostrou otimista quanto ao acordo partidário.

"Nossa aliança aqui é firme e sólida", disse o chefe do Executivo estadual. A declaração ocorreu nesta quinta-feira (21) logo após evento no Paço Municipal de lançamento de programa com R$ 55 milhões para incentivo ao empreendedorismo feminino, chamado “Nossas Guerreiras”.

Questionado sobre a insatisfação de correligionários por conta das declarações de Ciro Gomes, o petista tergiversou sobre a divisão no PT. "A nossa preocupação agora é vacinar a população, recuperar a economia, gerar emprego. No momento certo da eleição nós vamos discutir...", disse.

Ainda sobre eleição 2022, Camilo falou que a candidatura dele ao Senado ainda não está definida. "Não tem nada garantido, tudo será discutido", encerrou.

Bate-boca

Tudo começou quando na semana passada Dilma Rousseff postou críticas ao ex-ministro nas redes sociais. Ele havia dito que o ex-presidente Lula trabalhou pelo impeachment da correligionária, em 2016.

Dilma disse que “mais uma vez (Ciro) mente de maneira descarada” ao afirmar que o ex-presidente teria arquitetado o impeachment e que o cearense está "mergulhando no fundo do poço".

“Na vida nunca menti. Mas errei algumas vezes. Uma delas quando lutei contra o impeachment de uma das pessoas mais incompetentes, inapetentes e presunçosas que já passaram pela presidência. Claro que estou falando de você, Dilma”, respondeu Ciro.



Assuntos Relacionados