Por que o auxílio emergencial 2021 pode ser novamente prorrogado?

Entenda os motivos que aumentam a possibilidade de novas parcelas do benefício

Auxílio Emergencial
Legenda: Última parcela prevista será paga em outubro
Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

Diante do impasse sobre o programa substituto do Bolsa Família, o Auxílio Brasil, já se intensificam em Brasília ventilações para mais uma prorrogação do auxílio emergencial.

Este filme já fora visto duas vezes em 2021. Primeiro, com o retorno do pagamento das parcelas, após um hiato de janeiro a abril; e depois, em agosto, com o anúncio de três rodadas extras, as quais se encerram em outubro.

O expediente é basicamente o mesmo. A proximidade do fim dos pagamentos faz crescer a pressão política para a continuidade do benefício.

Eleições 2022

Sem uma solução fiscal garantida para subsidiar o novo Bolsa Família e com as eleições de 2022 batendo à porta, a inclinação do Governo Federal para prorrogar o auxílio emergencial pode mudar rapidamente.

Convém lembrar que, em ocasiões passadas, a possibilidade de uma nova esticada nos pagamentos já havia sido descartada por nomes técnicos do Governo, mas, de lá pra cá, muito mudou.

O time de Guedes já deu mostras claríssimas de que está disposto a abrir mão da rigidez com as contas públicas e até mesmo da saúde macroeconômica para garantir projetos que elevem as possibilidades de reeleição do chefe.

IOF e precatórios

Exemplos disso são as propostas questionáveis, para dizer o mínimo, de aumentar o IOF e empurrar com a barriga os precatórios, que são dívidas do Governo reconhecidas pela Justiça.

Esta segunda medida, aliás, ilustra bem a desfaçatez da equipe econômica em agir conforme a conveniência política e abandonar num piscar de olhos os parâmetros técnicos. O Governo precisa pagar R$ 89 bilhões aos credores em 2022, mas diz que não pode. Simples assim.

A questão é que, para dar vida a tal aberração, o Planalto precisa aprovar uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional). O acordo, apontado como crucial pelo Governo para asseverar o Auxílio Brasil, vem sendo costurado aos trancos em Brasília.

Trégua política

Selar essa medida é tão importante para os anseios políticos da administração Bolsonaro, cuja popularidade se desmancha a cada semana, que até a incontrolável boca do presidente parece ter sossegado em relação à guerra institucional com os demais poderes.

No entanto, se não houver consenso - e rápido - para o substituto do Bolsa Família, restará apelar ao bom e velho auxílio emergencial.

Popularidade em baixa

Mesmo com a reabertura das atividades econômicas, a recuperação está lenta, a confiança do consumidor está baixa, e a inflação, devorando a renda da população.

Essa agenda econômica vem ajudando a corroer a imagem do presidente, que precisará turbinar os programas sociais para tentar recobrar algum apoio popular.